Só 2,5% dos paulistanos vivem em áreas totalmente urbanizadas

Índice feito com base no Censo aponta que Consolação é o bairro com mais domicílios completamente servidos de iluminação, pavimentação, arborização urbana e saneamento

Marina Azaredo e Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2013 | 21h49

Edilson Damasceno e Antônio Pimentel de Souza moram a poucos metros um do outro, na Vila Andrade, zona sul de São Paulo. Mesmo assim, vivem em cidades completamente distintas. O gerente de tecnologia da informação Edilson vive em um condomínio de luxo da Rua José Ramon Urtiza, uma via asfaltada, limpa, arborizada e sinalizada. Já o carpinteiro aposentado Antônio mora no fim de um beco de uma favela às margens da Avenida Carlos Caldeira Filho. Sua casa fica ao lado de uma vala de esgoto a céu aberto.

"Realmente não tenho reclamações, esse é um lugar bastante agradável", elogia Damasceno, que comprou o apartamento na Vila Andrade há sete anos. Souza mora há mais de 30 anos no bairro. "O córrego transborda sempre que chove."

A diferença aparece nos números. O Estadão Dados compilou dez indicadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para calcular o índice de urbanismo para cada um dos 19,6 mil setores nos quais a capital paulista é dividida no Censo. Esse cálculo mostra que só 2,5% dos paulistanos (284 mil) vivem em locais com índice de urbanismo total.

A maioria dos domicílios com índice de urbanismo máximo está no centro expandido ou em bairros nobres. O melhor distrito é a Consolação, onde a nota média é 97. Em seguida vêm outros bairros de urbanização antiga, como Jardim Paulista, República, Santa Cecília e Bela Vista, com índice maior que 90."O sudoeste é a área mais favorecida. Índice de Desenvolvimento Humano, taxa de emprego, qualidade das escolas e outros indicadores também são melhores na região", comenta Valter Luís Caldana Junior, diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Mackenzie.

Morador da Consolação desde 1985, o advogado José Paulo da Rocha Brito confirma: "Em relação a São Paulo, esse bairro é ótimo". Na outra ponta da tabela estão os extremos do município, como Marsilac (23) e Parelheiros (46). A Vila Andrade, distrito conhecido por ser um dos principais símbolos da desigualdade de renda, tem nota 54.

A qualidade varia em um mesmo bairro. O Grajaú, na zona sul, tem média de 63. Mas no quarteirão entre as Ruas Alziro Pinheiro Magalhães e São Caetano do Sul a nota é 87. "É muito difícil ver lixo na rua. E a iluminação também é suficiente", elogia a operadora de telemarketing e moradora do local, Cristiane Gonçalves, de 33 anos. A alguns metros dali, no Sítio Reimberg, em uma área de manancial sem saneamento, água e fornecimento oficial de energia, a taxa é de 7. "Falta tudo, mas não tenho nenhuma vontade de me mudar. Gosto do clima de interior", diz o motorista de ônibus Luís Carlos Bispo.

"Há de 1 a 2 milhões de pessoas vivendo em áreas de mananciais na zona sul, o que é grave, pois são áreas que devem ser preservadas. A taxa de urbanismo nesse locais é e deve continuar baixa", diz Marly Namur, urbanista e professora da Universidade de São Paulo (USP).

Na Vila Jacuí, na zona leste, há outro fenômeno interessante: setores com urbanismo máximo em bairros de menor renda. É o caso da Praça Fortunato da Silveira, o Morumbizinho. A referência ao bairro de classe média alta justifica-se: as ruas são bem asfaltadas e iluminadas. "Essas discrepâncias entre lugares tão próximos são comuns. São Paulo é uma colcha de retalhos do ponto de vista do desenho urbano", diz Caldana.

Como foi feito o cálculo. O índice de urbanismo foi calculado a partir dos dados de características do entorno dos domicílios coletados durante o Censo 2010. Essas informações eram preenchidas pelos próprios recenseadores, que avaliavam a existência ou não de dez fatores que influenciavam a qualidade urbanística do entorno do local visitado: identificação do logradouro, iluminação pública, pavimentação das ruas, existência de calçada, existência de meio-fio, existência de bueiro ou boca-de-lobo para escoar água da chuva, rampas e acessibilidade, arborização urbana, não existência de esgoto a céu aberto e de lixo acumulado nas ruas. / M.A. e R.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.