Só 15 vítimas procuraram a polícia até agora

A polícia foi procurada até agora por apenas 15 pessoas que tinham bens guardados nos cofres do Itaú. Ao todo, elas relataram um prejuízo estimado em cerca de R$ 30 milhões.

O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2011 | 03h04

Segundo a polícia, uma delas declarou ter perdido o equivalente a R$ 6 milhões em joias, relógios, pedras preciosas e dinheiro. No início das investigações, estimava-se que o roubo poderia ter rendido aos ladrões mais de R$ 100 milhões.

Sobre os motivos que fizeram o restante dos prejudicados evitar a polícia, o delegado Rodolpho Chiarelli Júnior foi sucinto. "Não sei", disse. Acredita-se que parte dos clientes tenham feito acordos informais com o banco.

Segundo Chiarelli Júnior, é possível que a quadrilha tenha encontrado dificuldade para vender as joias roubadas. Relógios Rolex, por exemplo, contam com número de série e seriam facilmente identificados. A polícia disse que apreendeu até agora apenas algumas pedras preciosas, joias e dinheiro, que estavam com Marco Antonio Rodrigues dos Santos, irmão do líder da quadrilha. / W.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.