Skatistas só poderão usar escada da Roosevelt

Nova regra também determina o horário das 8h às 23h para praticantes do esporte

Juliana Deodoro - O Estado de S. Paulo,

07 de novembro de 2012 | 02h07

SÃO PAULO - O conflito entre skatistas e vizinhos da Praça Roosevelt, na região central de São Paulo, parece finalmente estar caminhando para uma solução. Nesta terça-feira, 6, uma comissão formada por representantes dos dois lados entregou ao subprefeito da Sé, Nevoral Bucheroni, documento com regras de utilização do espaço. Entre elas estão a reserva de uma área e a definição de horários para a prática do esporte.

O documento reúne uma série de reivindicações para a praça, mas de acordo com o presidente da Ação Local, Jader Nicolau Júnior, a questão dos skatistas era o ponto "nevrálgico". "Foi criada uma comissão para tratar exatamente do assunto dos skatistas. Pedimos que uma área seja reservada para eles e vamos contar com o apoio da Guarda Civil Metropolitana para encaminhá-los para esse local."

Segundo a nova regra, os skatistas poderão usar a Roosevelt livremente entre 8h e 23h, no entorno da escadaria que liga a praça à Rua da Consolação. A Ação Local pede ainda que uma pista seja construída no local, que fica mais distante da região ocupada pelos prédios residenciais.

Júnior afirma que o documento trata ainda de outras questões, como sinalização do espaço, reserva de quiosques para floricultura e cafeteria, instalação de portões para o cachorródromo, cercamentos do playground, proibição de ciclistas e comércio ambulante dentro da praça e instalação de ciclovia no centro da praça, além de mais segurança.

Sem barulho. Para o vice-presidente da Confederação Brasileira de Skate, Edson Scander, as regras farão da Roosevelt um lugar ainda melhor para os skatistas. "A Lei do Psiu existe e deve ser cumprida por todos, independentemente de cor, sexo ou preferência esportiva", diz, sobre o horário de utilização. "Não é que vamos limitar, mas será criado um espaço mais adequado para a prática do skate", completa.

A confederação pretende ainda fazer campanhas educativas para que os skatistas saibam das novas regras. "Não é nada incomum. Faremos na Roosevelt o que já foi feito, por exemplo, nos Parques do Ibirapuera e da Independência", afirma Scander.

O presidente da Ação Local está seguro quanto ao sucesso dos pedidos, apesar da aproximação do fim do governo Gilberto Kassab (PSD). "Temos a definição de que as regras serão implementadas de imediato. Queremos que esse assunto esteja muito bem encaminhado até o fim desta gestão."

Já na próxima semana, a comissão que cuida do assunto dos skatistas deverá se reunir com o secretário municipal de Segurança para definir o papel da Guarda Civil Metropolitana na questão.

Segundo a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, todos os órgãos envolvidos vão analisar as reivindicações e intensificar o processo de criação de um conselho gestor, que represente moradores, frequentadores e o poder público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.