Site da vigilância da USP omite assassinato de estudante

Universidade afirma que está em andamento projeto para modernizar iluminação do campus; prazo para conclusão é 1 ano

Jair Stangler, do estadão.com.br,

18 de setembro de 2011 | 23h00

A USP divulga os dados de todas as ocorrências que ocorrem em suas dependências no site. No entanto, o site não informa a ocorrência do assassinato de Felipe Ramos de Paiva, ocorrida em 18 de maio deste ano.

 

No campo homicídios/tentativas, todos os meses aparecem no zero. Segundo explicou a assessoria de comunicação da universidade, isso ocorreu porque se trata de latrocínio (roubo seguido de morte), e não de homicídio no sentido estrito do termo. Latrocínio, explica a assessoria, é algo que ainda não havia ocorrido no campus. "Os dados de julho e agosto ainda não constam do site porque estão sendo processados e devem ser publicados nos próximos dias", informa ainda, via e-mail.

 

Imagem: Reprodução

 

A guarda universitária conta com efetivo de 110 funcionários sem poder de polícia. A USP dispõe ainda de um sistema de monitoramento por câmeras no campus, que pode ser usado pela polícia nas investigações.

 

Iluminação. Com relação à iluminação do campus, crítica unânime de toda a comunidade acadêmica da USP, a assessoria da universidade afirma que está em andamento um projeto de modernização de toda a iluminação da Cidade Universitária. "Esse projeto teve início há mais de seis meses, já foi feita a licitação e a empresa vencedora está iniciando as ações voltadas a esse assunto. A previsão é de que em um ano, gradativamente, todo o campus esteja com a iluminação reformulada", diz a reitoria.

 

Em relação aos acessos à favela São Remo, uma das cobranças feitas por parte dos alunos da USP, a reitoria informou que "não há intenção de fechar os acessos à comunidade São Remo, porque há, inclusive, muitos funcionários da USP que ali moram". Esclarece, no entanto, que a USP tem controle a partir de um certo horário. A partir das 20h, é necessária a apresentação de carteirinha. No sábado à tarde e no domingo, só tem acesso quem tem vínculo com a USP.

 

A Cidade Universitária possui área de mais de quatro milhões de metros quadrados, com público diário estimado em 100 mil pessoas, entre professores, funcionários, alunos e visitantes. Do total das 42 Unidades de Ensino e Pesquisa da Universidade, 18 estão instaladas na Cidade Universitária, além de três Institutos, dois Museus e o Hospital Universitário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.