José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Após 51 dias, nível de água do Sistema Guarapiranga sobe

Reservatório opera nesta sexta-feira com 75% de sua capacidade e não registrava aumento desde o dia 13 de maio; Cantareira caiu

Felipe Cordeiro, O Estado de S. Paulo

03 de julho de 2015 | 09h43

SÃO PAULO - Atualmente responsável por abastecer o maior número de pessoas na capital e na Grande São Paulo (5,8 milhões de pessoas), o Sistema Guarapiranga, localizado na zona sul de São Paulo, registrou nesta sexta-feira, 3, o primeiro aumento do nível de água armazenada em 51 dias. Segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o manancial subiu 0,3 ponto porcentual e opera com 75% da capacidade, ante 74,7% do dia anterior. 

Sobre a região do Guarapiranga, choveu nas últimas 24 horas 25,2 milímetros. Já a precipitação acumulada nos três primeiros dias de julho é de 25,8 mm, 61,2% do esperado para todo o mês (42,1 mm).

Com a crise no Cantareira, mais água passou a ser retirada do Guarapiranga, que se tornou o principal abastecedor. No entanto, o manancial entrou em queda livre e não registrava alta desde 13 de maio, quando o nível subiu de 82,4% para 82,7%.

Cantareira. Após um dia de estabilidade, o Cantareira voltou a cair nesta sexta-feira. O manancial, que hoje atende 5,2 milhões de pessoas, está com 19,7% da capacidade, contra 19,8% desta quinta-feira, 2. O número já considera duas cotas de volume morto, de 182,5 bilhões de litros de água e de 105 bilhões de litros, acrescentadas no ano passado. Sobre a região, a pluviometria do dia foi de apenas 2,7 mm.

Considerando o índice negativo do sistema, que passou a ser divulgado pela Sabesp após determinação da Justiça, o Cantareira se manteve estável e opera com -9,5% da capacidade.

Já de acordo com o terceiro porcentual, que leva em consideração o volume armazenado dividido pelo volume útil somado às duas cotas de reserva técnica, o manancial também se manteve estável (15,3%).

Outros mananciais. Além do Guarapiranga, três sistemas subiram nesta sexta-feira. O maior aumento proporcional ocorreu no Alto Cotia, que variou 0,5 ponto porcentual, de 63,2% para 63,7%. Já o Rio Grande subiu 0,3 ponto porcentual e foi de 91,6% para 91,9%. Por sua vez, o Rio Claro teve alta de 0,1 ponto porcentual e está com 72%.

O Alto Tietê foi o único sistema que se manteve estável nesta sexta-feira, com 20,5% da capacidade. O índice leva em conta uma cota de volume morto, com 39,4 bilhões de litros de água, adicionada em dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.