Sistema Cantareira estabiliza, mas nível ainda é crítico

Embora o nível tenha subido para 16%, relatório do comitê anticrise mostra que nas quatro represas do sistema o nível é de 15,6%, o pior da história

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

08 Março 2014 | 13h03

CAMPINAS - Apesar das chuvas dos últimos dias e do volume total dos reservatórios do Sistema Cantareira, que abastece 47% da Região Metropolitana de São Paulo, ter apresentado aumento neste sábado, 8, voltando a 16% de sua capacidade, a situação ainda é crítica para o fornecimento público.

Relatório deste sábado do comitê anticrise, chamado de Grupo de Técnico de Assessoramento para Gestão do Sistema Cantareira (GTAG-Cantareira), mostra que nas quatro represas do sistema que formam a reserva para divisão da água entre a Grande São Paulo e as cidades da região de Campinas, o nível é de 15,6%. É o pior volume desde que as represas começaram a ser construídas, em 1974.

Por determinação do Estado e da União, a Grande São Paulo tem direito a 27,9 mil litros por segundo e o interior a 3 mil litros por segundo da água que sai desses quatro reservatórios (chamado Sistema Equivalente). O Cantareira tem ainda outras duas represas, que abastecem apenas a Região Metropolitana. Essa divisão é investigada pelos Ministérios Públicos Estadual e Federal.

Simulações feitas pelo grupo anticrise, criado pelo Estado e União para gerenciar a falta de água no Cantareira nessa atípica seca de verão, mostram que com as represas entrando em março na faixa dos 16%, elas podem secar até agosto se a quantia de água que entrar foi igual à da média do pior ano de estiagem (1953).

No entanto, os níveis de chuva de dezembro, janeiro e fevereiro, nas áreas de influência para recarga do Cantareira, estão bem abaixo dos registrados em 1953. A Somar Meteorologia informou que, apesar de um início de março com chuvas mais fortes do que janeiro e fevereiro, a tendência é de "precipitações mal distribuídas e de forma menos intensa sobre São Paulo e sul de Minas Gerais", nas áreas onde estão os rios e reservatórios do Cantareira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.