Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Sistema Cantareira entra em 'estado de alerta' com pior julho desde 2015

Cantareira opera com 39,7% da capacidade, menor índice registrado no mês desde 2015, durante a crise hídrica; previsão é de chuva ao longo da semana no Estado de São Paulo

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2018 | 11h31
Atualizado 30 Julho 2018 | 20h06

SÃO PAULO - O Sistema Cantareira está em estado de alerta desde domingo, 29, quando chegou a 39,9% de sua capacidade. O nível caiu ainda mais nesta segunda-feira, 30, chegando a 39,7%. Segundo as novas regras da operação anticrise hídrica, em vigor desde 2017, o sistema entra automaticamente na "faixa 3", de estado de alerta, quando fica  abaixo de 40%.  Para ser considerado normal, precisa chegar a 60%.

A quantidade de água armazenada é a mais baixa para o mês de julho desde 2015, quando 0 Estado enfrentava a crise hídrica. Para o dia 30 do mês, o nível era de 63%, em 2017, e 46,9%, em 2016. Em 2015, as reservas estavam no volume morto, com capacidade em -10,5%. 

Em 2018, a última vez que o monitoramento da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) detectou aumento no nível do Cantareira foi em 9 de junho, quando subiu de 45,6% para 45,7%. O sistema permanecerá em estado de atenção enquanto estiver com volume útil acumulado entre 30% e 39,9%. 

Quando está em estado de alerta, o limite de retirada é reduzido de 31 mil para 27 mil litros por segundo. Para voltar à faixa 2, que é o estado de atenção, o nível precisa estar de 40% a 59,9%. Acima disso, o volume é considerado normal. 

Das represas que integram o Sistema Cantateira, a pior situação é a de Cachoeira (com 10,2% da capacidade), enquanto a de Atibainha está em 29,1%, a de Paiva Castro marca 42,1% e a de Jaguari/Jacarei marca 43,5%.

Sabesp está 'economizando água' do Cantareira

Procurada, a Sabesp afirmou, por meio de nota, que possui um "sistema mais robusto, com mais interligações e maior capacidade de tratamento de água do que antes da crise hídrica". "Foram 36 grandes obras entregues pela Sabesp, além de 1.000 intervenções de pequeno e médio portes nos últimos anos, que garantem mais água para a população."

Além disso, a companhia ressalta que está "economizando água" do Cantareira e, por isso, nos últimos 13 meses, teria poupado 25% do que estava autorizada a retirar dos reservatórios do sistema. O montante representa 245,8 bilhões de litros.

Em julho deste ano, por exemplo, a média de retirada foi de 22.190 litros/segundos (embora fosse permitido 31 mil litros/segundo). "Se a Sabesp não tivesse adotado essa medida, o Cantareira hoje estaria com 15% da capacidade, não com cerca de 40%", ressaltou a companhia.

Previsão do tempo em São Paulo

O tempo seco deve dar trégua a partir desta segunda-feira em todo o Estado de São Paulo. Segundo o Climatempo, a chegada de uma frente fria estimula a formação de nuvens carregadas. A frente fria é a primeira que consegue chegar com força ao Estado desde o começo de junho.

A previsão é que chova na capital paulista na tarde e na noite de segunda-feira, o que deve se repetir ao longo da semana. Outra frente fria deve chegar ao Estado entre os dias 3 e 4 de agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.