Sistema avisa sobre estoque baixo, diz CET

Em duas notas enviadas à reportagem, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) nega falta de lâmpadas nos semáforos da cidade. Segundo a empresa, existe um sistema que emite alerta "justamente para evitar a falta de peças sobressalentes".

O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2012 | 03h09

No caso flagrado pelo Estado no Ipiranga, em que uma lâmpada foi tirada de um foco para ser instalado em outro, a CET diz que o problema havia sido identificado como falha no controlador do semáforo. "Como a equipe estava preparada para atuar somente no trabalho de reparo do controlador semafórico, não estava munida com lâmpadas sobressalentes para fazer a troca. Por motivo de segurança, a equipe realizou um procedimento não autorizado pela Companhia, qual seja, retirou a lâmpada amarela e colocou-a no foco verde. A CET já abriu procedimento interno para apurar essa operação não autorizada e tomar posteriormente as medidas necessárias", disse, em nota.

"Em média, são trocadas 1,5 mil lâmpadas de semáforos por mês", informa a companhia. "Quando constatada falha no equipamento, a substituição da lâmpada queimada é feita no intervalo mais curto possível, pois há equipes de manutenção espalhadas por todas as regiões da cidade, que são acionadas imediatamente."

De acordo com a Prefeitura, no ano passado foram investidos R$ 47 milhões em melhorias dos "conjuntos semafóricos da cidade", que incluem "a substituição de todos os equipamentos eletromecânicos por eletrônicos, a aquisição de lâmpadas de LED, a elaboração de novas tecnologias de integração semafórica, entre outras medidas". Também estão sendo instalados 200 equipamentos no-break (que impedem apagão) em cruzamentos que registraram maior número de ocorrências de falta de energia e, por sua localização, "causam maiores impactos à segurança no trânsito e à mobilidade". / B.R e N.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.