'Sistema aéreo brasileiro está falido', diz relator da CPI

O relator da CPI do Apagão Aéreo do Senado, Demóstenes Torres (DEM-GO), afirmou que o acidente ocorrido com o avião da TAM, em Congonhas, é reflexo da crise de infra-estrutura dos aeroportos brasileiros. Nem Demóstenes nem o relator da comissão de inquérito da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), quiseram fazer avaliações sobre as causas do acidente."A prioridade agora é o atendimento às famílias das vítimas. Todos os órgãos do governo afetos a essa área precisam estar preocupados com isso. Depois é que vamos nos preocupar com as investigações para saber os motivos do acidente", disse Maia."O sistema aéreo está em crise, em pane. E Congonhas é o pior em termos de saturação", afirmou Demóstenes. Ele lembrou que a pista do aeroporto de Congonhas foi reformada recentemente."A pista passou por uma reforma recente e, portanto, tem de estar melhor do que a anterior. Mas antes da reforma, a outra pista operou sem acidentes", observou o democrata.Logo depois do acidente, Demóstenes Torres conversou por telefone com o presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira. "Ele (brigadeiro) não sabia detalhes. Apenas que o avião não havia parado", contou Demóstenes.Ao lamentar o acidente, ele argumentou que o tráfego no aeroporto de Congonhas está "esgotado" e que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) permitiu um número excessivo de pousos e decolagens. "O sistema aéreo brasileiro está falido, em pane". "Congonhas é o pior aeroporto em termos de saturação".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.