Síndico mata condomínio e é condenado a 12 anos de prisão

Ex-síndico é acusado de ter disparado contra morador, em fevereiro de 1999

Marcelo Godoy, do Estadão

12 de julho de 2007 | 09h16

O 5º Tribunal do Júri condenou, na quarta-feira, 11, a 12 anos de prisão o mecânico Selsino Gonçalves Souto, de 49 anos, por ter assassinado com três tiros o professor José Marques de Souza. Souto era síndico do condomínio Recanto dos Pássaros, no Jardim Bonfiglioli, na zona oeste de São Paulo, quando matou Souza, também condômino. O crime ocorreu em fevereiro de 1999 e foi flagrado pelo circuito de TV do condomínio. Souto vai recorrer da condenação em liberdade.Nem defesa nem acusação discordavam sobre a autoria do crime. Por isso, os jurados decidiram de forma unânime (7 a 0) que o síndico matou o professor. Toda a polêmica ocorreu em relação às circunstâncias do crime. Assim, os jurados por 5 a 2 consideraram que o síndico não deu chance de defesa à vítima e agiu por motivo fútil. O professor criticava a gestão do síndico. Souto o esperou chegar na noite do crime no 5º andar, onde Souza morava. Quando este abriu a porta do elevador, foi atacado. O criminalista Alberto Zacharias Toron, que fez a defesa do réu, recorreu da decisão, alegando nulidade das perguntas feitas aos jurados. "Gostaria que ele saísse algemado", disse a viúva de Souza, Maria Leda. Para a promotora Mildred Gonzalez, Souto não devia recorrer em liberdade, porque pode fugir.O júri de quarta foi o segundo do caso. Souto já havia sido condenado a 14 anos de prisão, mas o Tribunal de Justiça anulou a sentença, sob a alegação de que a decisão contrariava a prova dos autos.

Mais conteúdo sobre:
assassinatojulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.