Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Síndico de prédio vizinho ao que desabou diz ter avisado autoridades sobre vão entre os imóveis

Aparecido Dias diz que há cinco anos comunicou a Prefeitura sobre o descolamento de uma parede que gerou uma fenda de 80 centímetros

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

06 Maio 2018 | 16h38

SÃO PAULO - O sindico do prédio Caracu, Aparecido Guimarães Dias, disse neste domingo, 6, que comunicou há cinco anos à Prefeitura de São Paulo "descolamento" de cerca de 80 centímetros da parede do edifício Wilton Paes de Almeida, que desabou. Segundo ele, o edifício estava pendendo para a avenida Rio Branco. 

Era uma fenda de aproximadamente 80 centímetros. Colocamos uma tábua e cedeu; depois colocamos um rufo e também caiu. Ninguem dava assistência, ninguém se interessava  por esse predio", explicou Dias.

+++ 162 movimentos disputam lugar na fila de moradia popular da capital paulista

Por causa do desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, o prédio Caracu foi evacuado e interditado pela Defesa Civil.

O síndico  diz acreditar que os moradores  poderão voltar aos apartamentos em cerca de 35 dias."A parte estrutural do prédio está boa. Será necessário refazer a parte elétrica que fica no subsolo", disse Dias.

+++ Bombeiros concentram buscas na parte de trás do prédio que desabou

+++ Prédios tombados no centro de SP abrigam ocupações

Neste domingo, 6, um grupo de moradores, acompanhado do Corpo de Bombeiros,  pode entrar nos apartamentos para a retirada de  pertences.

De acordo com Dias, há 96 moradores no prédio que foi construído em 1945 e inaugurado em 1957.O prédio Caracu tem 115 apartamentos e 3 sobrelojas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.