Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Shows de Paul McCartney em SP alteram trânsito da região do Allianz Parque

Interdições devem ser realizadas pela CET a partir das 14 horas desta terça, 26; moradores do entorno reclamam de transtornos provocados por grandes eventos na arena

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2019 | 09h07

Resumo da notícia

- Estádio do Palmeiras receberá às 20h30 shows de Paul McCartney na terça, 26, e na quarta-feira, 27

- Rua Palestra Itália será interditada no trecho entre a Praça Marrey Junior e a Avenida Pompeia

- Ruas Diana e Caraíbas serão interditadas nos trechos entre as Ruas Venâncio Aires e Palestra Itália

- Cruzamento da Rua  Padre Antônio Tomás com a Avenida Francisco Matarazzo será bloqueado

-------------------------------

SÃO PAULO - A Companhia de Engenharia de  Tráfego (CET) vai interditar a partir das 14h algumas ruas do entorno do Allianz Parque para realização dos shows de Paul McCartney nesta terça-feira, 26, e quarta-feira, 27. Abertura dos portões está prevista para às 16h, e o show terá início às 20h30.

De acordo com a CET, as interdições ocorrem na Rua Palestra Itália, entre a Praça Marrey Junior e a Avenida Pompeia. Nas ruas Diana e Caraíbas, as interdições são entre as ruas Venâncio Aires e Palestra Itália, por consequência da Rua Palestra Itália e há bloqueio do cruzamento da Rua Padre Antônio Tomás com a Avenida Francisco Matarazzo.

Os organizadores estimam um público de 48 mil pessoas por dia na região por causa dos shows do ex-beatle.

Mas as grandes apresentações que animam fãs de artistas internacionais e jogos que levam milhares de torcedores ao Allianz não trazem a mesma alegria aos moradores do entorno da arena, que se tornou referência com mais megashows no mundo em 2017.

Eventos do Allianz Parque cresceram 15%

De acordo com dados de um movimento de moradores das ruas do entorno da Arena Allianz Parque, em 2018 o número de eventos (shows, convenções e jogos) cresceu 15%, totalizando 63 eventos. Segundo o Allianz Parque, mais de 2 milhões de pessoas estiveram na arena em 2018.

Os moradores das ruas Padre Antônio Tomás, Palestra Itália, Barão de Tefé e Avenida Francisco Matarazzo relatam que em dias de grandes eventos aumentam consideravelmente os transtornos na região.

Mas o problema não acontece só em dias de grandes apresentações. A noite do último dia 13 de março parecia até um dia de show ou de jogo.  Milhares de fãs da banda sul-coreana K-pop BTS formaram uma fila enorme, desde a entrada do Allianz Parque até o Shopping West Plaza, a duas quadras dali. Desde o dia 18 de fevereiro, fãs do BTS se revezam em barracas no local.

A venda online para o primeiro show do BTS, que será no dia 25 de maio, durou pouco mais de uma hora após a liberação e a venda de ingressos para o show extra do dia 26 de maio, através da bilheteria oficial da arena, foi cercada de confusões.

Construída entre casas, prédios residenciais, dois shoppings e avenidas de trânsito intenso, a arena Allianz Parque com capacidade para 55 mil pessoas, recebeu todos os megashows de São Paulo no ano passado, além de jogos do Palmeiras. O Estádio do Morumbi não realizou nenhum show em 2018. 

Passaram pela arena nos últimos dois anos Justin Bieber, Phil Collins, Depeche Mode, Foo Fighter, Queens of Stone Age, Ozzy Osborne, Roger Waters, Shakira, Andréa Bocelli e os artistas brasileiros Marisa Monte, Carlinhos Brown, Gilberto Gil, Alceu Valença, Frejat, Nando Reis, Ivete Sangalo entre outros.

Conforme os relatos de moradores, a medida que aumenta o número de eventos na arena, aumentam os problemas na região. As reclamações vão desde os horários dos bloqueios que são realizados nas ruas e avenidas no entorno (cada evento tem um horário determinado para a realização das interdições),  sujeira, excesso de barulho de torcedores logo cedo, montagem de churrasqueiras nas portas de moradores, ambulantes que vendem bebidas alcoólicas em garrafas, usuários de drogas, rojões e até o cocô do cavalo da Polícia Militar incomoda os moradores da região.

A maioria dos entrevistados admite que os problemas são muito mais intensos nos dias de jogos do que nos dias de shows.

"As torcidas organizadas se acham donas das ruas Caraíbas e Venâncio Aires. Ninguém respeita. Eles começam a beber pela manhã e à tarde, na hora do jogo, estão completamente bêbados e a rua totalmente suja", conta uma moradora da rua Caraíbas, que não quis se identificar.

Em nota, a Subprefeitura da Lapa informou que nos dias de jogos no Allianz Parque as equipes de fiscalização chegam com quatro horas de antecedência à abertura dos portões e permanecem no local até a liberação do trânsito na Avenida Francisco Matarazzo. 

No texto, a Subprefeitura disse que em relação às churrasqueiras em dias de evento, cabe ressaltar que não são vendedores, mas sim torcedores, os quais são orientados a desocupar o passeio público imediatamente.

A Subprefeitura da Lapa informou também que de janeiro até dezembro de 2018, o número de lacres apreendidos pelos fiscais da administração regional apenas no entorno do estádio, como bandeiras, camisetas, comidas e bebidas, foi de 585.

Sobre a preservação do sossego pública, a Subprefeitura da Lapa informou que os eventos que acontecem no Allianz Parque são autorizados conforme o estabelecido no Decreto 49.969/2008 e na Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo (16.402/2016), a Lei de Zoneamento e que as autorizações emitidas pela Secretaria de Urbanismo e Licenciamento não têm ultrapassado o limite das 23h30.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), informou que monitora o trânsito na região da Pompeia entre 6h e 23h, em dias de jogos e nos dias de shows.

Segundo a CET, para garantir o acesso de moradores é montada uma faixa reversível na Rua Palestra Itália, entre a Avenida Pompeia e Rua Caraíbas, e no contra fluxo da Rua Barão de Tefé.

A Polícia Militar disse que para cada evento é realizado uma reunião prévia onde são planejadas e definidas as estratégias e esquema de segurança a serem desenvolvidos.

Segundo a PM, em eventos de grande porte é desenvolvido um esquema de segurança no Allianz Parque, denominado "super quadra", onde é feita a interdição de algumas vias do entorno da arena. 

Segundo a nota, para garantir a segurança de todos os frequentadores da arena, a polícia realiza fiscalização no local e permite acesso apenas de pessoas autorizadas e portando ingresso do evento.

Em nota, o Allianz Parque informou que desde a sua concepção, o estádio foi projetado para ser a primeira arena multiuso do país, com  espaço pensado para as pessoas, seja pelos níveis de conforto, segurança e conveniência ou pelo cuidado com a região do entorno da arena. De acordo com a nota, o Allianz Parque investiu mais de 65 milhões em obras de melhorias na região e que realiza diálogo constante com a vizinhança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.