Shopping poderá pagar moradia popular

A minuta do novo Plano Diretor ainda sugere a criação de uma contrapartida social a ser cobrada de grandes empreendimentos, como shoppings e condomínios. A "cota de solidariedade" prevê que construtoras sejam obrigadas a reservar parte de seus terrenos à construção de moradias populares.

Adriana Ferraz, Artur Rodrigues, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2013 | 02h05

O pagamento seria condicionado à liberação do projeto e poderia ocorrer no mesmo terreno, em outro semelhante ou por doação em dinheiro para o poder público construir unidades populares.

Dessa forma, esses empreendimentos não ficariam restritos a uma região. A atual gestão também quer mudar o conceito de Habitação de Mercado Popular (HMP), diminuindo sua classificação de 16 para 10 salários mínimos.

Mobilidade. Como destaca o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Fernando de Mello Franco, a ideia central da proposta do novo Plano Diretor é casar mobilidade com desenvolvimento social.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.