Shindo Renmei tinha túnel em Valparaíso

Em 2001, crianças acharam 'caverna' que foi usada como esconderijo pelo grupo. Iphan criou sítio arqueológico

ESPECIAL PARA O ESTADO, VALPARAÍSO (SP), O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2012 | 03h03

A informação da descoberta de uma "caverna" por meninos de um bairro conhecido como Vila Dulce chegou até a professora de História Maria Inês Ribeiro de Carvalho em 2001. "Resolvemos ver essa tal 'caverna' e descobrimos um túnel, escavado engenhosamente em solo argiloso, que não poderia ser obra da natureza." Ao entrar no local, a professora se deparou com algo que mais tarde descobriu ser um esconderijo dos integrante da Shindo Renmei.

Movida pela curiosidade, Maria Inês conta que começou a fazer pesquisas em cartório, biblioteca e até no fórum para saber quem havia ocupado aquelas terras. "Descobri que, lá pelos idos de 1940, ali era uma vila de japoneses e, a partir daí, comecei a aprofundar o levantamento."

O túnel tem 47 metros de extensão em linha reta. Ao longo do trajeto, nascem outras oito estruturas perpendiculares, como pequenos túneis laterais, com comunicação com o canal principal. As galerias menores são semelhantes a poços de água, abertos em intervalos de 1,5 metro de distância. Por elas, é possível subir à superfície. "O projeto é bem desenhado, muito rico do ponto de visto arquitetônico."

Maria Inês fez um dossiê, com documentos, fotos e entrevistas. Dois japoneses, que já morreram, foram de suma importância para a conclusão da pesquisa.

Em entrevistas, realizadas após muita insistência, os imigrantes revelaram que o espaço era usado pela Shindo Renmei para treinamentos e também servia como possível esconderijo em caso de perseguição pela polícia brasileira. Em 2006, a área foi cadastrada como sítio arqueológico no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). / R.A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.