Seus direitos

SAÚDE EM RISCO

, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2010 | 00h00

Assistência falha

Minha mãe, Antonia Mazin Derriti, possui convênio da Itálica Saúde há anos. Sempre pagou antes do vencimento, mas, agora, quando mais precisa de atendimento médico, não consegue nem marcar consultas. O atendimento do convênio também é muito ruim. Ela está com os joelhos debilitados e não consegue andar sozinha, somente com ajuda de bengala, e, por isso, precisava fazer uma cirurgia para colocação de prótese, mas o procedimento lhe foi negado. Está também com falta de ar e até agora não houve diagnóstico correto. Outro problema é que há poucos médicos que atendem perto de onde ela mora, na zona oeste. Quero somente que a minha mãe seja vista como um ser humano, que precisa de uma avaliação correta e digna.

ELAINE CRISTINA DERRITI / CAMPINAS

A Ouvidoria da Itálica Saúde informa que entrou em contato com a paciente, sra. Antonia, e, posteriormente, com sua filha para tentar esclarecer as dúvidas e solucionar o problema. Diz ter deixado à disposição os canais da Ouvidoria, para quaisquer dúvidas.

A leitora confirma: O plano de saúde entrou em contato, mas ainda não foi marcada a data para a cirurgia.

Análise: Atualmente, quase todos os usuários dos serviços de assistência médica privada têm dificuldades para marcar exames e consultas, utilizando-se dos serviços das empresas contratadas. A demora na obtenção das autorizações decorre, sobretudo, do número insuficiente de médicos e laboratórios que são credenciados para o atendimento dos consumidores, assim como dos burocráticos procedimentos administrativos impostos pelas próprias operadoras de saúde. O correto é que as consultas, os exames e as cirurgias sejam autorizados num tempo compatível com as necessidades dos consumidores, pois, quando se contrata um serviço, em especial na área da saúde, espera-se tê-lo disponível tão logo exista a necessidade de utilizá-lo. Se as dificuldades na marcação de consultas e exames persistirem, é recomendável que a leitora faça uma reclamação na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). No que se refere à prótese ortopédica, os custos dela advindos são de responsabilidade integral da Itálica Saúde, mostrando-se a negativa ofertada, portanto, totalmente indevida. Para ver seu direito garantido, a mãe da leitora, neste caso, deve ingressar com uma ação judicial, com pedido de liminar, solicitando a cobertura para a prótese em questão.

Julius Cesar Conforti, advogado, é membro da American Health Lawyers

HDI SEGUROS

Demora para conserto

Estou indignado com o tratamento dado pela HDI Seguros a um sinistro em meu carro. Sofri um acidente em 27/10 e imediatamente fui ao posto da seguradora, onde um funcionário me orientou a procurar a empresa Dealer, para evitar "perda de tempo" na elaboração de orçamentos. Segundo ele, nessa concessionária a aprovação seria automática. Lá fui informado de que as peças levariam de 5 a 10 dias úteis para chegar e só então seria feito o conserto do veículo. No dia 12/11 fui informado de que as peças já estavam disponíveis, mas o veículo só seria levado para a oficina em 26/11, com previsão de 10 a 15 dias úteis para a realização do serviço. Creio que a seguradora deveria deixar disponível um carro reserva por esse período, já que, pelos meus cálculos, ficarei uns 40 dias sem carro.

ROBERTO JULIO DENES / SÃO PAULO

A HDI Seguros informa que o reparo do veículo foi agendado para o dia 22/11 na oficina escolhida pelo sr. Denes. Explica que, no entanto, o início dos trabalhos está condicionado à entrega das peças pela montadora.

O leitor relata: Recebi resposta da HDI Seguros só 18 dias depois da avaliação do veículo. Os reparos foram negociados e aprovados pela seguradora entre os dias 8 e 9/11. As peças estão na concessionária desde o dia 12/11 (só a seguradora não sabia?). Mas, apesar de toda as dificuldades impostas pela HDI Seguros, fui muito bem atendido pelos funcionários da concessionária. O carro só ficou pronto no dia 1.º/12 e o carro reserva foi oferecido por 7 dias, mas não aceitei.

Análise: A empresa responde por qualquer ato de seu preposto. Para agilizar a solução do caso, o funcionário do posto da seguradora deveria saber que estava representando a HDI Seguros. O prazo informado deveria ter sido cumprido. O leitor tinha direito a um carro reserva. A seguradora pode ser responsabilizada na Justiça pelos transtornos causados e prejuízos sofridos.

Maria Inês Dolci é coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste)

Fique atento: Se você teve problemas com compras pela internet, registre uma queixa no site www.procon.sp.gov.br pelo link "atendimento eletrônico". Um técnico do Procon avaliará a reclamação e o informará sobre seus direitos, além de avisar a empresa. Se não houver solução, um processo administrativo será aberto para a situação ser resolvida em audiência conciliatória. Fonte: Idec

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.