Setor mudou, mas há muito o que fazer

O apagão aéreo de 2006/2007 foi um marco para a aviação nacional. Depois do caos vivido nos aeroportos, cada um dos "personagens" desse setor - companhias aéreas, Anac, Infraero e Aeronáutica - tentou dar uma resposta para os problemas que se multiplicavam País afora. Mas a onda de atrasos e cancelamentos enfrentados ontem por passageiros da Gol mostra que ainda há muito por fazer. Se os problemas de escala de trabalho na empresa vêm desde fevereiro, como diz o Sindicato Nacional dos Aeroviários, por que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) não interveio antes? Guardadas as devidas proporções, o que se viu ontem foi muito semelhante ao vivido no Natal de 2006, quando a TAM vendeu mais passagens do que a quantidade de assentos disponíveis (o chamado overbooking). Nas duas ocasiões, a conclusão é a mesma: faltou fiscalização.

Cenário: Bruno Tavares, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2010 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.