Antônio Lúcio/Estadão
Antônio Lúcio/Estadão

Sete curiosidades sobre o Jabaquara

Fica no bairro uma das mais antigas construções bandeiristas de que se tem notícia; na região, conhecida no passado como "fim do mundo", já foi possível pescar lambari

O Estado de S. Paulo

19 de outubro de 2015 | 17h15

Neste documentário, o pintor Yugo Mabe, filho do artista plástico Manabu Mabe (1924-1997), lembra das mais de quatro décadas acompanhando a transformação do Jabaquara. Atualmente, a casa em que cresceu e onde seu pai viveu até o fim, na Rua das Canjeranas, é uma referência arquitetônica do bairro. Ele conta que quando era pequeno ia com seus amigos pescar lambari e tilápia na chácara da Ressaca. Veja outras seis curiosidades sobre a região.

1. O fim do mundo

Em tupi, Jabaquara é Yob-A-Qua-A, que significa rocha e buraco. Eram os índios que viviam ali até o século XVII, quando chegou a colonização e a região passou a fazer parte da sesmaria do padre José de Anchieta. Conhecido também como “fim do mundo”, por causa do isolamento e da desocupação, e “refúgio dos fujões”, porque havia muitos quilombos, até o começo do século XX o Jabaquara era um local de passagem para viajantes em trânsito entre São Paulo, Santo Amaro e o litoral.

2. Sítio da Ressaca

Construída provavelmente em 1719, em taipa de pilão – importante técnica de bairro socado trazida ao Brasil pelos portugueses no começo da cidade –, a casa que era a sede do sítio é uma das construções bandeiristas mais antigas de São Paulo. Fica na rua Nadra Raffoul Mokodsi, 3. 

3. Parques

Para a construção de alguns pontos de referência do bairro, como o Hospital Artur Ribeiro Saboya e do Centro Cultural Jabaquara, muitas áreas verdes do bairro desapareceram. Entre os poucos remanescentes figuram os parques Lina e Paulo Raia, ao lado do metrô Conceição, e Nabuco, na Rua Frederico Albuquerque. O Zoológico, na Água Funda, fica bem perto também. Na Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, 2314, fica o Playground da Longevidade, com uma série de aparelhos para atividades físicas ao ar livre destinadas aos mais velhos.

4. Cidade Vargas musical

Em 1940, começou a ser loteada a Cidade Vargas, um bairro planejado. Só que ainda não tinha asfalto, escola nem transporte público. Foi então fundada a Sociedade Amigos de Cidade Vargas, cuja criação tinha o apoio de Wilson Fittipaldi, pai de Emerson Fittipaldi. Nos anos 60, o cantor e ex-ministro Gilberto Gil seria um dos moradores da Cidade Vargas. No documentário, a moradora conta que não era raro ver o músico passeando pela região ou apresentando saraus junto de Caetano Veloso, Gal Costa e Maria Bethânia.

5. A lentidão do metrô 

Em 1927, é anunciado o projeto do subterrâneo para desafogar o trânsito. A primeira viagem, no entanto, só ocorreria 45 anos depois, na inauguração simbólica da primeira estação no dia 6 de setembro de 1972, no Jabaquara. 

6. Gateball

O maior clube de gateball do Brasil fica no bairro do Jabaquara (Rua Embaixador Coelho de Almeida, 178). Gateball, ou gatebol, é um jogo de taco inventado em 1947 no Japão, por Kazuuobu Suzuki, logo após a Segunda Guerra Mundial. Mistura golfe e bilhar e é considerado também uma variação oriental do críquete. A modalidade é disputada por duas equipes com cinco jogadores cada. Uma delas tem os números pares e a outra fica com os números ímpares.)

Tudo o que sabemos sobre:
BairrosSPJabaquaraCuriosidades

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.