SERGIO CASTRO/AE
SERGIO CASTRO/AE

Sete curiosidades da Vila Guilherme

Da primeira escola à suposta casa que D. Pedro I teria usado para se encontrar com a Marquesa de Santos, saiba mais sobre o bairro

O Estado de S. Paulo

09 Novembro 2015 | 16h34

A primeira escola da Vila Guilherme foi um grupo escolar erguido na Praça Oscar da Silva pelo fundador do bairro, o fluminense Guilherme Praun da Silva. Isso foi em 1927. Chamava-se Grupo Escolar da Vila Guilherme e depois o nome mudou para Grupo Escolar Afrânio Peixoto. A instituição mudou de endereço e o prédio bonito e antigo, que por anos a abrigou e chegou a ser utilizado pela subprefeitura, ainda está de pé. Só que abandonado. É tombado pelo Departamento do Patrimônio Histórico e já foi ocupado por artistas em protesto ao abandono e ao risco de ser convertido em algo que o descaracterizasse da importância histórica e cultural. Seu destino parece incerto. Veja outras seis curiosidades da região.

      1.A Igreja de São Sebastião

Consta que Guilherme Praun da Silva nasceu em Petrópolis em um dia 20 de janeiro, dia de São Sebastião. Viria daí sua devoção ao santo. Em 1922, ele fundou uma capela na parte baixa, e essa se tornaria a Paróquia de São Sebastião da Vila Guilherme (Praça Stélio Machado de Loureiro). A partir de 1939, com o surgimento da Igreja de Nossa Senhora da Anunciação, na Rua Maria Cândida, as duas passariam a dividir o posto de referência em termos de festas religiosas e encontros de lazer dos moradores.

      2.Trote e futebol

O clube hípico da Vila Guilherme, fundado por Guilherme Praun da Silva em 1939, foi primeiro do Brasil a promover corrida de charretes puxadas por cavalos e conduzidas por jóqueis. Veja neste link do Estadão Acervo, fotos históricas desse tipo de competição. O espaço ficava onde hoje existe o Parque do Trote. A modalidade que dominou o clube foi trazida para a região pelos imigrantes portugueses e também atraiu participantes de origem italiana. Nos anos 50, a Vila se converteu em tradicional palco dos páreos mais emocionantes do trote, em que o sistema de apostas é semelhante ao do turfe. O cavalo dispara puxando a charrete com rodas grandes e é desclassificado se parar de trotar. Na década de 1970, a Sociedade do Trote (instalada no lugar do clube hípico desde 1944) recebia um público de 10 mil pessoas e chegou a formar um time de futebol chamado Trote Futebol Clube.

      3.O zoológico do vizinho

Na fronteira com a Vila Maria (e oficialmente pertencente ao bairro vizinho), o Zoológico do Agenor existiu de 1942 a 1975 e, em virtude da localização limítrofe (na Rua do Imperador, esquina com Rua Ernani Pinto), foi por todo esse tempo um ponto de referência da Vila Guilherme. Era o segundo zoológico da cidade.

      4.Os estúdios de TV

Em 1967, começaram a funcionar no número 575 da Rua Dona Santa Veloso as instalações da TV Excelsior, que depois deu lugar ao SBT (até o fim da década de 1990).

      5.De quem era o jacaré?

Um jacaré pantaneiro tumultuou São Paulo no dia 22 de agosto de 1990. O animal foi responsável por um congestionamento de cerca de três horas na marginal do Tietê, entre as pontes da Vila Guilherme e Vila Maria, na zona norte. Até hoje não se sabe como ele foi parar lá. A versão mais provável é a de que ele era criado em cativeiro e seu dono, com medo de ser multado pela Polícia Federal, jogou o jacaré no rio. Veja a cobertura completa neste link do Acervo Estadão.

      6.E a Casa das Rosas?

Não se sabe se ela de fato existiu, mas dizem que ficava na Vila Guilherme uma casa usada nos encontros de D. Pedro I e a Marquesa de Santos. Ela ficaria na Avenida Guilherme, era um palacete e teria sido demolido no fim da década de 50.


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.