Kathia Tamanaha/Estadão
Kathia Tamanaha/Estadão

Sesc Pompeia reúne história e cultura em um só lugar

Centro de lazer é parada obrigatória para quem quer conhecer e se divertir no bairro

Gustavo Zucchi, O Estado de S. Paulo

24 Agosto 2015 | 20h58

O Sesc Pompeia consegue misturar várias facetas do bairro em um único local. Construído onde funcionava uma fábrica de tambores, o prédio é uma obra de arte funcional projetada pela arquiteta Lina Bo Bardi na década de 70 e inaugurada como espaço cultural em 1982. De lá para cá seu espaço não foi apenas palco da intensa vida cultural da região, mas um marco para a cidade de São Paulo. Hoje recebe em média 5 000 pessoas por dia, entre associados e público em geral. São mais de 1,5 milhão de visitantes por ano, uma plateia que frequenta os shows no galpão da choperia e muitas outras atividades.

“O Sesc trouxe para o bairro a valorização de toda uma área”, explicou o diretor regional do Sesc, Danilo Santos de Miranda. Frequentador desde a abertura, ele pode aproveitar, assim como milhares de pessoas, a oficina de artesanato, a biblioteca, o salão de ginástica, além de exposições e espetáculos históricos, a exemplo das gafieiras de Paulo Mouro. “Vi nos anos 80 um teatro extraordinário do André Serban (diretor romeno), tragédias gregas maravilhosas”, lembra Santos. Exposições também marcaram época, como a recente exibição da sérvia Marina Abramovic.

Em março de 2015, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) declarou o Sesc Pompeia patrimônio cultural protegido. Desde 2009, ele é também tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).

As obras na antiga fábrica começaram em 1977. A própria Lina Bo Bardi convivia no canteiro de obras para se certificar de que tudo ocorreria conforme o projeto. A primeira parte foi inaugurada em 1982. Logo em sua abertura, sediou o fetival de punk "O Começo do Fim do Mundo". No ano seguinte sediou o programa "Fábrica do Som", da TV Cultura e recebeu banda como Titãs e Ira!. O complexo esportivo só foi aberto ao público em 1986.

Nas décadas seguintes recebeu centenas de exposições e shows. Joãozinho Trinta, Caetano Veloso entre outros estiveram por lá. Projetos como o "Jazz na Fábrica" também abre espaço para novos artistas.

Futuro. O Sesc Pompeia cresceu culturalmente junto com o bairro. Como marco arquitetônico e como centro de lazer, virou parada obrigatória para quem quer conhecer o bairro. “A essência do Sesc Pompeia é a mesma desde sua criação. Um espaço para a grande massa que frequentasse a unidade com essa perspectiva cultural, de lazer, de esporte, de muitas oficinas. Essa essência está lá e de certa maneira até se ampliou”, avalia Santos.

Nos próximos anos o local deve ganhar bem próximo uma linha de metrô com seu nome (da Linha-6, laranja, com previsão de conclusão para 2020). "O futuro é ampliar cada vez mais sua capacidade de atendimento. Devemos ter maior público e até aumentar os horários de funcionamento, coisa que hoje temos certas limitações", diz.

O Sesc Pompeia fica na rua Clélia, 93. Funciona de terça a sábado, das 9h às 22h e domingos das 9h às 20h.

Mais conteúdo sobre:
BairrosSP Pompeia Sesc Pompeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.