Servidores municipais entram em greve em SP; serviço funerário protesta

Categoria reivindica 39% de reajuste salarial; trabalhadores se reuniram em frente à Prefeitura

Priscila Trindade e João Paulo Carvalho, estadão.com.br

30 de agosto de 2011 | 14h25

SÃO PAULO - Servidores públicos de ao menos quatro setores no município de São Paulo entraram em greve na manhã desta terça-feira, 30, segundo informações do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias do Município de SP (Sindsep). A principal reivindicação é o aumento salarial de 39%, referentes a janeiro de 2004 a dezembro de 2010.

 

De acordo com o sindicato, entraram em greve funcionários do Serviço funerário; da Secretaria do Verde; da Secretaria das Finanças e vários setores da Saúde. Segundo o secretário de assuntos jurídicos do Sindsep, João Batista Gomes, a greve deve continuar pelo menos até quinta-feira, 1.

 

Além do reajusta de 39%, a categoria pede ainda plano de carreira e melhores condições de trabalho. Segundo o Sindsep, o governo não apresentou nenhuma proposta para a categoria. Hoje, o salário inicial dos servidores está em torno R$ 440.

 

Em nota, a Prefeitura disse que os serviços municipais funcionavam normalmente, "sem prejuízo à população". O comunicado diz ainda que já concedeu aumento de mais de 15% no piso salarial para servidores com jornada de 40 horas semanais, além de gratificações. "A Prefeitura reitera que sempre manteve canal aberto para dialogar com os representantes dos servidores", diz a nota.

 

Protesto. Trabalhadores do Serviço Funerário fizeram um protesto em frente à Prefeitura hoje. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego  (CET), a manifestação também passou pela Rua Libero Badaró e Avenida São João, que tiveram o trânsito prejudicado.

 

Em junho, os funcionários paralisaram as atividades por um dia. Motoristas e sepultadores aderiram à greve, atrasando enterros e velórios na cidade. Os trabalhadores suspenderam a greve após o governo se comprometer a negociar.

 

Atualizado às 16h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.