Servidores municipais de São Paulo decidem suspender a greve

Paralisão seria em protesto de reajuste salarial de 39%, plano de carreira e melhores condições de trabalho

Marcela Bourroul Gonsalves, estadão.com.br

05 de setembro de 2011 | 17h23

SÃO PAULO - Os servidores municipais de São Paulo decidiram suspender a greve em assembleia realizada nesta segunda-feira, 5. Eles se reuniram em frente à sede da prefeitura, no centro da cidade para decidir os rumos da paralisação que começou na última terça-feira, 30.

Segundo João Batista, do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo (Sindsep), o governo não cedeu aos pedidos de negociação, mas prometeu iniciá-las novamente no final deste mês.

Os funcionários do Serviço Funerário já haviam retornado ao trabalho na última sexta-feira, 2, em cumprimento a uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Os servidores municipais pedem reajuste salarial de 39%, plano de carreira e melhores condições de trabalho. Atualmente, o piso mínimo dos servidores, que é a soma do padrão e de todas as gratificações, está em R$ 630.

Em junho, motoristas e sepultadores paralisaram as atividades por um dia. Os trabalhadores suspenderam a greve após o governo se comprometer a negociar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.