Servidor preso sob suspeita de fraude em SP deve ser solto hoje

Luis Alexandre Cardoso de Magalhães é um dos quatro presos sob a acusação de receber propina para liberar obras na cidade de São Paulo

03 Novembro 2013 | 20h24

Um dos quatro servidores da Prefeitura de São Paulo presos sob a acusação de cobrar propina para reduzir o valor do Imposto sobre Serviços (ISS) na liberação de obras na cidade será solto na noite deste domingo, dia 3. A soltura do fiscal Luis Alexandre Cardoso de Magalhães está prevista para meia noite.

Ele permanece por enquanto na carceragem do 77º DP, na região central. O servidor aceitou fazer uma delação premiada - dar detalhes do esquema em troca de redução de pena. Os outros três envolvidos no esquema - Eduardo Horle Barcellos, Carlos Augusto di Lallo do Amaral e Ronilson Bezerra Rodrigues - tiveram prisão temporária prorrogada e devem ficar detidos pelo menos até sexta, dia 8. Eles também estão no 77º DP, sem direito a visitas, com exceção dos advogados.

Magalhães é o dono do Porsche Cayenne amarelo apreendido no dia da operação que divulgou o esquema e faturava, segundo a investigação, até R$ 80 mil por semana. A estimativa é de que ele tenha patrimônio não declarado superior a R$ 7 milhões.

Neste domingo, Magalhães saiu da carceragem para realizar exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), no hospital das Clínicas, antes de ganhar liberdade. Os outros três acusados também foram na tarde de domingo ao IML para realização dos exames, exigência de quando há renovação de pedido de prisão.

Mais conteúdo sobre:
Prefeituracorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.