Serviço e atendimento falhos

SPEEDY - TELEFÔNICA/VIVO

O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2012 | 02h10

O Speedy, da Vivo, não funciona direito. Há momentos em que tudo volta ao normal, mas há semanas em que não é possível usar a internet. Desconfio que haja um tráfego na rede do Speedy muito maior do que ele pode dar conta. Agora com as novas normas que passam a viger (de acordo com a Anatel), acredito que a Vivo será a campeã de multas e reclamações.

ADEMIR VALEZI / SÃO PAULO

A Telefônica Vivo informa que, em 9/11, entrou em contato com o leitor sr. Valezi, que informou que o serviço estava funcionamento normalmente, não sendo necessário reparos. A Telefônica Vivo informa, ainda, que providenciou o ressarcimento em relação ao período de inoperância da linha, a ser creditado em conta futura.

O leitor discorda: Não considero o caso solucionado. Em 8/11 a Vivo, sem me avisar, mandou um técnico à minha residência. Naquele momento a internet estava funcionando, mas informei a ele que o problema é intermitente. Não sei exatamente o que ocorreu, mas o técnico foi ao DG do prédio e minha linha telefônica simplesmente parou de funcionar. Reclamei e outro representante da Vivo mostrou que a linha fora cortada e ele não conseguiu solucionar o problema. No dia 12, contratei um técnico, que resolveu a questão. Recebi depois telegrama da Vivo dizendo que não conseguia entrar em contato comigo. Claro, a linha estava cortada! A Vivo disse que ia descontar os dias em que fiquei sem telefone, mas não aceitei. A internet voltou a funcionar sem interferência de nenhum técnico da Vivo, mas, no dia 18, fiquei o dia todo sem conexão. Enfim, continuo com o mesmo problema de interrupções. Quero ser ressarcido pelos contínuos transtornos.

TELEFÔNICA/VIVO - 2

Pegadinha a cliente?

Chamei a Vivo/Telefônica dia 23/10, que pediu prazo de 24 horas para me atender e, pasmem, só abriu chamado para uma linha, pois o "sistema" não aceita 2 chamados para o mesmo endereço, e, pior, a assistência seria só para a linha reclamada. Aguardei até o dia 25/10, e não vieram. Liguei novamente para abrir outra ordem de serviço, pediram mais 24 horas, esperei até o dia 26/10, e nada. Liguei para a Ouvidoria, que pediu 5 dias úteis para resolver o problema. Como? Se liguei justamente para reclamar da demora em me atender! Recebi a ligação da Ouvidoria no mesmo dia, para justificar o prazo do não atendimento e que, a partir da ligação, eu teria de aguardar mais 3 dias úteis. Ora, se foi só para justificar e pedir mais prazo, não precisava ter ligado! E agora, vou reclamar com quem?

APARECIDA ZUCCARI DAMICO

/ SÃO PAULO

A Telefônica Vivo informa que, após visita técnica, o problema foi detectado e solucionado. A sra. Aparecida será ressarcida em conta futura referente ao período de inoperância das linhas.

A leitora diz: Não vale a pena nem comentar a resposta.

SABESP

Provável vazamento

Resido no mesmo imóvel há 7 anos e o valor do consumo de água varia de R$ 30 a R$ 80. Há uns 3 meses, o valor subiu para R$ 300 a R$ 400. A primeira conta veio depois de a Sabesp quebrar a calçada de toda minha rua para fazer manutenção. Não tive como pagar esses valores e meu marido foi à agência verificar o que poderia ser feito. Queríamos que enviassem um profissional para verificar se havia vazamento. Mas soube que a Sabesp cobra R$ 400 para isso, absurdo! A concessionária parcelou as contas em atraso em 10 vezes. Mas paguei uma das parcelas atrasada e, no dia 6/11, eles foram na minha residência cortar a água pela calçada, alegando que eu não poderia de forma alguma atrasar as parcelas. Foi um constrangimento ante meus vizinhos! Preciso que a dívida seja reparcelada.

MARIA CLEUSA A. NUNES

/ SÃO PAULO

O Superintendente da Unidade de Negócio Centro, Francisco José F. Paracampos, informa que o corte do fornecimento de água no imóvel ocorreu pelo não pagamento da 1ª parcela referente ao acordo de parcelamento das contas de agosto e setembro de 2012. A cliente entrou em contato e foi orientada quanto à documentação necessária para efetuar o reparcelamento, bem como, quanto ao procedimento de corte e religação da água. Em 7/11, a cliente efetuou o pagamento total do acordo rompido e firmou novo parcelamento para a conta de outubro/12. Com o pagamento da 1ª parcela, em 8/11, a Sabesp efetuou a religação da água. Já, em 9/11, a equipe compareceu ao local e, após a execução de testes de sucção, gratuitos, verificou que o imóvel apresenta vazamentos não visíveis nas instalações internas. A cliente foi orientada a pesquisar, localizar e sanar os vazamentos.

A leitora diz: A resposta procede, mas é impossível o envio da documentação, pois moro em casa de parente e não tenho contrato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.