Serra insiste e ONU diz que revisará documento sobre violência

Relatório das Nações Unidas aponta que cidade é responsável por 1% dos homicídios do mundo

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

07 de dezembro de 2007 | 17h08

O governador de São Paulo, José Serra, comprou uma briga com a ONU e fez com que a entidade modifique seu mais completo relatório já feito sobre a situação das cidades no mundo. O documento, lançado há três meses, indicava que a cidade de São Paulo seria responsável por 1% dos homicídios do mundo. Depois das queixas do governador, as Nações Unidas aceitaram revisar o documento, revelado pelo Estado. "Não é o primeiro estudo internacional apresentado com erros ou de forma errada. No passado tivemos problemas com a Organização Mundial da Saúde (OMS)", afirmou Serra ao Estado. De fato essa não é a primeira vez que Serra compra uma briga com a ONU. Quando era ministro da Saúde do governo de Fernando Henrique Cardoso, o atual governador contestou um ranking produzido pela OMS que colocava o Brasil como tendo um dos piores sistemas de saúde entre os países emergentes. Na época, Serra montou uma ofensiva diplomática junto com outros países que também ficaram desapontados com sua classificação no ranking. O resultado foi que, desde então, a ONU parou de publicar rankings sobre a saúde. No caso da violência em São Paulo, Serra foi obrigado a apelar para a ajuda do chanceler Celso Amorim. O ministro das Relações Exteriores deu ordens para que a diplomacia questionasse a ONU e um pedido de desculpas foi oficialmente feito, além da promessa de revisão dos números. Segundo o governo, a taxa de homicídios em São Paulo foi de 18,39 por cada 100 mil habitantes. Para 2007, Serra espera que a taxa caia para 11,8 por casa 100 mil. Uma carta ainda foi enviada pelo governo ao secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon relevando a "insatisfação do País quanto â imprecisão dos dados divulgados".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.