Serra diz que manter nova Marginal fechada seria ridículo

Governador considera que estrutura da obra está pronta e afirma que críticos "têm espírito de porco"

ANDRÉ MAGNABOSCO, da Agência Estado

27 Março 2010 | 14h16

O governador de São Paulo, José Serra, minimizou há pouco as notícias publicadas na imprensa sobre a inauguração da nova Marginal, segundo as quais as obras estão sendo entregues antes da conclusão da sinalização e da iluminação do novo trajeto. "Manter uma obra fechada só porque alguém vai dizer que está inaugurando antes do tempo seria ridículo".

Ao participar da cerimônia de inauguração da nova Marginal há pouco, Serra disse que a crítica é um fenômeno brasileiro e que quem reclama "tem espírito de porco". Segundo ele, a estrutura essencial da obra já está pronta e, por isso, a inauguração se tornou possível. "O fundamental da obra já está concluído, no ponto em que chegou já justifica a sua entrega", afirmou.

Para o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, não haveria razão para uma maior demora na liberação das novas faixas. "A obra podendo ser liberada para a circulação de veículos, não vejo nenhum sentido de isso não ser feito". Segundo Serra, as obras complementares do projeto serão entregues conforme sua conclusão.

Perguntado sobre a manifestação dos professores estaduais, ocorrida ontem em frente ao palácio dos Bandeirantes, o governador evitou fazer qualquer comentário. Serra também não quis falar sobre o resultado da pesquisa DataFolha, divulgado hoje, onde aparece com uma vantagem de nove pontos sobre a pré-candidata do PT, a ministra Dilma Rousseff. "Pesquisa é uma coisa que vai e vem, vamos ver as próximas", disse.

O projeto de expansão da Marginal prevê investimentos totais de R$ 1,3 bilhão, dos quais R$ 200 milhões investidos pelos consórcios que administram as rodovias Anhanguera e Bandeirantes (AutoBan) e Ayrton Senna e Carvalho Pinto (Ecopistas). A previsão do governo estadual é de que as obras reduzam o tempo das viagens na cidade em aproximadamente 35%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.