Será preciso educar a população ou até pagar o condomínio

Análise

Henrique Cambiaghi, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2010 | 00h00

Uma das formas de diminuir o déficit habitacional é melhorar a ocupação das áreas centrais das grandes cidades, por adensamento, verticalização e até retrofit - a revitalização de edifícios antigos. A grande dificuldade da verticalização é a questão da conservação e manutenção das áreas comuns e dos elevadores. Os mutuários na maioria das vezes mantêm em dia o pagamento das prestações, com medo de perder seu imóvel, mas acabam atrasando ou não pagando as taxas condominiais. O elevador nada mais é do que um meio de transporte vertical, como o metrô é um meio de transporte horizontal. É preciso conscientizar a população de baixa renda da importância de cuidá-los - até em novas unidades.

A verticalização das áreas centrais traz economia ao poder público, pois evita dotar ou aumentar infraestrutura nas áreas periféricas. Por isso o poder público deveria e poderia levar em consideração essa economia, subsidiando as moradias econômicas. Nesse sentido, uma forma de viabilizar a verticalização seria incluir no pagamento das prestações as taxas condominiais pelo menos por um período, além de educar e treinar as famílias sobre como morar coletivamente. Outra possibilidade é dotar os edifícios de garagens e áreas comerciais, de sorte que essas poderiam ser alugadas e a receita reverter para abater os custos de condomínio.

ARQUITETO, EX-PRESIDENTE E INTEGRANTE DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA (ASBEA)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.