Seqüestro em Santo André é o mais longo registrado em SP

Foram mais de 100 horas de impasse em que Lindemberg Alves mateve a ex-namorada em cárcere privado

da Redação , estadao.com.br

17 de outubro de 2008 | 20h11

Foram mais de 100 horas de impasse. O caso de cárcere privado em que Lindemberg Fernandes Alves, de 22 anos, fez sua ex-namorada, Eloá, de 15 anos, refém foi o mais longo registrado no Estado de São Paulo. De acordo com a polícia, o registro anterior ocorreu em março do ano passado, quando um assaltante fez uma mãe e seus três filhos reféns por 56 horas em Campinas. No fim, o criminoso foi preso e as vítimas libertadas ilesas.   Veja também: Confira cronologia do seqüestro  Seqüestro em Santo André é o mais longo registrado em SP Galeria de fotos do seqüestro    Já casos semelhantes de cárcere por questões de relacionamento, ao menos outros três ocorreram na região metropolitana de São Paulo. Foram problemas de relacionamento que acabaram com mulheres em poder de companheiros por horas.   O caso mais recente de cárcere privado por problemas de relação ocorreu em setembro de 2007, quando o mecânico Paulo César de Souza Luiz manteve a mulher e dois filhos reféns por nove horas, em Osasco. Paulão, como era conhecido no bairro, passava por problemas financeiros. Ele estava armado com uma faca de cozinha e não chegou a ameaçar a família. Paulo César se entregou sem ferir ninguém, após a chegada de um irmão, que é sargento do Corpo de Bombeiros em Dracena.   Em janeiro de 2007, o presidiário Édson Félix dos Santos manteve sua ex-mulher refém por 37 horas, também em Osasco. Ele estava em indulto de Natal quando seqüestrou Carla Joelma Alencar Viana, de 33 anos, e a manteve presa dentro de casa. Cansado, Santos cochilou e a vítima aproveitou o momento para fugir. Após uma hora de negociações com policiais do Gate, ele também saiu da casa.   Um caso que acabou em tragédia ocorreu em outubro de 2006. O marceneiro Gilberto Gomes de Lima, de 36 anos, fez reféns a ex-mulher e a amante por 30 horas, em Cidade Tiradentes, zona leste da capital paulista. Andréia Pereira dos Santos, de 30 anos, procurou o marceneiro para contar que estava grávida. Então, a ex-mulher, Gilvanete da Silva Lima, de 37 anos, dele apareceu. Sessenta policiais foram mobilizados nas negociações, mas no fim. Lima atirou na amante e depois atirou contra a própria cabeça.                                                                                                                                     Caroline Rozendo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.