Sequestro de criança pode levar a moça sumida há 24 anos

A prisão de um casal em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, acusado de sequestrar uma criança de 7 anos revelou um crime semelhante ocorrido há cerca de duas décadas. Na casa da dupla, que confessou o sequestro da criança, policiais encontraram uma mulher de 24 anos que estaria sendo mantida sob efeito de remédios e também teria sido sequestrada ainda criança.

Marcelo Portela,

18 de agosto de 2011 | 00h43

S.R.B.S. foi raptada em uma feira de Contagem no domingo. Pouco depois, a Polícia Civil divulgou o retrato falado da suspeita e, três dias depois, a criança foi deixada na porta de uma mulher, amiga da família. Apesar de a vítima ter reaparecido, a polícia recebeu na terça-feira um telefonema, informando onde estaria a suspeita do sequestro, reconhecida graças ao retrato falado.

Policiais foram até a residência da dona de casa Neli Maria Neves, de 53 anos, que confessou ter sequestrado a criança e foi presa. Os agentes prenderam ainda o companheiro de Neli, o cabo reformado da Polícia Militar mineira Jair Narciso de Lacerda, de 65 anos, também acusado de participação no crime.

Além disso, os investigadores descobriram que, dois dias depois de sequestrar a criança, o casal a registrou em um cartório de São Joaquim de Bicas, também na região metropolitana de Belo Horizonte, como filha deles. "O prenome era o mesmo, mas o sobrenome havia sido alterado", contou a delegada Cristina Coeli Cicarelli, responsável pelas investigações.

Mas a surpresa foi ainda maior quando os policiais encontraram na residência a mulher de 24 anos que também foi registrada por Neli como filha do casal.

Os documentos foram apreendidos e a suspeita é de que ela também foi sequestrada ainda criança e seria mantida no local sob efeito de medicamentos. "Ela sofreu toda forma de exploração", disse a delegada.

Reencontro. A jovem é mantida sob guarda da polícia, em local não revelado, e já teria passado por atendimento médico e psicológico.

Os policiais encontraram uma mulher que pode ser a mãe biológica da moça e elas serão submetidas a exame de DNA para confirmar o parentesco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.