Sequestrador de Diniz é preso no Chile

Hector Tapia era procurado desde 2000, quando fugiu ao receber benefício; ele cumpria pena de 15 anos

, O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2011 | 00h00

A polícia do Chile prendeu ontem um dos sequestradores do empresário Abílio Diniz, proprietário do Grupo Pão de Açúcar, levado por bandidos em 1989. Condenado no Brasil a 15 anos e 8 meses de prisão, o ex-guerrilheiro chileno Hector Collante Tapia, de 47 anos, estava foragido desde 2000, um ano depois de ser transferido para seu país.

Tapia, integrante do Movimento de Esquerda Revolucionária (MIR), cumpriu dez anos de prisão no Brasil antes de ser levado para o Chile, em 1999. Um ano depois, obteve o benefício da saída diurna e fugiu. "Ele era uma das pessoas mais procuradas no país", afirmou Víctor Peñailillo, da Polícia de Investigações. "Custou muito achá-lo, mas imaginamos que ele iria à casa da mãe, que está doente", disse. E foi o que ocorreu: Tapia foi preso na casa dela em Limache, a 80 km de Santiago.

Ele e outros nove sequestradores - dois canadenses, um brasileiro, quatro chilenos e dois argentinos - fizeram o empresário refém no dia 11 de dezembro de 1989. Ele ficou seis dias em cativeiro, em uma casa no Jabaquara, zona sul da capital.

O local foi descoberto pela polícia após a prisão de um dos suspeitos. Depois de várias horas de negociação, o refém foi libertado e os sequestradores, presos. O objetivo do sequestro era levantar recursos para a guerrilha em El Salvador. Todos foram condenados a penas de 26 a 28 anos de prisão, depois reduzidas para entre 15 e 18 anos. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.