Senador defende chicotada em preso que não trabalhar

Reditario Cassol (PP-RO) disse que 'pilantras e vagabundos' recebem tratamento melhor do que trabalhadores

ROSA COSTA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2011 | 03h03

O senador Reditario Cassol (PP-RO) defendeu ontem, da tribuna do Senado, a adoção de chicotadas para presos que se recusarem a trabalhar nos presídios e o fim do auxílio-reclusão para os condenados. Ele alega que "pilantras, vagabundos e sem-vergonha" recebem um tratamento melhor do que os trabalhadores brasileiros.

"Nós temos de fazer o nosso trabalho, ilustre presidente e nobres senadores, modificar um pouco a lei aqui no Brasil, que venha favorecer, sim, as famílias honestas, que trabalham, que lutam, que pagam impostos para manter o Brasil de pé", defendeu. "E não criar facilidade para pilantra, vagabundo, sem-vergonha, que devia estar atrás da grade de noite e de dia trabalhar, e quando não trabalhasse de acordo, o chicote voltar, que nem antigamente", disse.

Suplente de seu filho, o ex-governador de Rondônia Ivo Cassol, que está licenciado, Reditario questionou o "desamparo" dos parentes das vítimas, enquanto o governo, segundo ele, gasta por ano "mais de R$ 200 milhões do orçamento para sustentar a família dos presos".

"O vagabundo, sem-vergonha, que está preso recebe uma bolsa de R$ 802,60 para seu sustento. Mesmo que seja auxílio temporário, a prisão não é colônia de férias", protestou. No seu entender, a pessoa condenada por crime grave deve sustentar os dependentes com o trabalho nas cadeias. Ele comparou a situação aos trabalhadores desempregados que, "além de tudo isso, muitas vezes é assaltado, tem a casa roubada e precisa viver recluso atrás das grades de sua própria casa".

O senador disse que quer a volta "dos velhos tempos, em que não existiam presídios e as cadeias viviam praticamente vazias". "Hoje (quando deixa o presídio), o preso sai dando risada das autoridades e em poucas semanas, em poucos meses, está de volta. E nós, trabalhadores, os brasileiros honestos, sérios, mantendo tudo isso aí."

Em aparte, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse que compreendia a "indignação" do colega mas que, em nenhuma hipótese, aprovaria a utilização do chicote, "porque seria uma volta da Idade Média". Reditario Cassol é um dos 14 suplentes que ocupam o cargo de senador sem ter recebido um único voto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.