Semana de moda atrai 90 estrangeiros

Jornalistas, compradores e pesquisadores de diferentes nacionalidades desembarcam nesta época em SP para conferir os desfiles da Bienal

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2012 | 03h05

A porto-riquenha Jeniffer Rosa, de 33 anos, é uma das 90 estrangeiras que vieram ao País para a São Paulo Fashion Week - que até terça-feira apresenta no prédio da Bienal do Parque do Ibirapuera algumas das maiores marcas da moda brasileiras. Desde quinta-feira, ela não desgrudou de sua câmera, com medo de perder algum registro importante.

Americanos, japoneses, franceses e até um jornalista turco e uma jornalista russa estão na cidade especialmente para a semana de moda. Nove deles vieram a convite da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) e da Associação Brasileira de Estilista (Abest). "Escolhemos algumas pessoas pela importância que têm como formadores de opinião", diz Silvia Lima, da Abest.

No grupo, há também 20 compradores que vieram avaliar a moda brasileira por conta própria. A maioria, no entanto, é jornalista. Entre eles está o italiano Antonio Mancinelle, de 46 anos, que escreve para uma revista francesa. Ele esteve em São Paulo há pouco mais de um ano, nas férias. Conheceu o Rio, que achou lindo. Daí, veio a São Paulo, "o lugar que gostaria de morar".

"Nunca estive em um lugar como o Brasil. Aqui as pessoas são jovens e sorridentes. Têm um otimismo que o europeu não conhece, principalmente agora com a crise", explica.

A única crítica do italiano até agora é a cidade ainda não estar preparada para atender os turistas. "Poucas pessoas falam inglês. Fiz compras na Osklen, a marca desfilou na Bienal, e em mais algumas lojas dos Jardins."

Cliques. Jeniffer trabalha na área de marketing em Nova York e veio a São Paulo pesquisar a cultura para uma empresa americana de beleza. "Queremos entender como vive o brasileiro", diz ela, sempre segurando sua máquina fotográfica.

Nas ruas ela repara nos detalhes. Acessórios hippies, como pulseiras de tecido e colares artesanais, adornos religiosos. As cores das roupas, das frutas, dos sucos. Tudo vira motivo para outro clique. Até um brigadeiro foi fotografado. "É o docinho mais simples que experimentei, mas é uma delícia. Pão de queijo é outra maravilha."

Jennifer circula acompanhada de dois amigos, o mexicano Victor Gomez, de 36 anos, e a francesa Margo Humbert, de 29. O trio já experimentou vários restaurantes dos Jardins.

Formado em Marketing de Luxo, o francês Baptiste Demay, de 24 anos, explica o porquê do entusiasmo com o Brasil. "Quando eu entro no supermercado vejo tantas frutas e verduras frescas como não temos em Paris", diz. "Aqui tem água de coco e açaí, fruta com uma cor impressionante." Há três meses em São Paulo, ele foi escolhido para ciceronear estrangeiros. "O Brasil é hoje uma evidência." / COLABOROU FLÁVIA GUERRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.