Sem-teto reivindicam participação em decisões sobre moradias

Movimentos sociais que fecharam Viaduto do Chá nesta manhã desejam indicar ao menos parte das habitações construídas pelo poder público

Artur Rodrigues, O Estado de S. Paulo

17 de abril de 2013 | 11h04

Os movimentos de habitação que tomaram a frente da Prefeitura e fecharam o Viaduto do Chá nesta quarta-feira, 17, cobram participação nas decisões do prefeito Fernando Haddad (PT) sobre o destino das 55 unidades habitacionais prometidas.

"Queremos indicar pelo menos 10 mil das 20 mil moradias que vão ser construídas por PPP (parceria público-privada) em convênio entre a Prefeitura e o governo do Estado", disse Julieta Abraão, da União dos Movimentos de Moradia de São Paulo.

Nos megafones dos carros de som, eles cobraram a presença do prefeito: "Haddad, cadê você, eu vim aqui só para te ver".

Por volta das 11h, mais de mil pessoas estavam em frente à sede da Prefeitura de São Paulo, segundo organizadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.