Sem-teto protestam em frente ao Palácio dos Bandeirantes

Manifestantes acampam na Avenida Morumbi; Marginal do Pinheiros chegou a registrar 12 quilômetros de lentidão sentido Interlagos

Raquel Brandão, O Estado de S. Paulo

04 de março de 2015 | 15h59

SÃO PAULO - Na manhã desta quarta-feira, 4, manifestantes da União dos Movimentos de Moradia (UMM) se concentraram no Parque do Povo, no Itaim Bibi, e seguiram em direção ao Palácio dos Bandeirantes para reivindicar moradia e soluções para a falta d'água em São Paulo. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 500 pessoas participaram do ato. O movimento, no entanto, estimou em três mil o número de manifestantes. "As pessoas estão bem dispostas. Viemos com barracas e não vamos sair daqui até ter uma resposta do governador", afirmou a coordenadora da UMM Vera Lúcia Maurício Lima.

No começo da tarde, o grupo se concentrou em frente ao portão 2 do Palácio dos Bandeirantes, interditando completamente a Avenida Morumbi. O desvio do trânsito estava sendo feito pela Avenida Giovanni Gronchi. O congestionamento na região refletiu na Marginal do Pinheiros, deixando o tráfego bastante carregado no sentido Interlagos. Às 15h, uma faixa sentido Avenida Francisco Morato foi liberada. 

Seis representantes dos movimentos foram recebidos pelo secretário-adjunto da Casa Civil do Estado para uma reunião. Eles cobraram uma resposta para um documento entregue em manifestação realizada no ano passado que questionava o governo estadual sobre contratos, para a construção de dez mil moradias, que estariam parados há mais de dois anos. 

Tudo o que sabemos sobre:
MoradiaSão Paulocrise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.