Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Sem-teto protestam em frente à Câmara por mudança no Plano Diretor

Manifestantes reivindicam que área ocupada na zona leste seja transformada em uma Zona de Interesse Social

Diego Zanchetta, O Estado de S. Paulo

28 Maio 2014 | 16h39

Atualizada às 18h31

SÃO PAULO - Cerca de 3,5 mil sem-teto protestam em frente ao prédio da Câmara Municipal, no centro de São Paulo, nesta quarta-feira, 28, para exigir da gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) a garantia de que serão construídas moradias populares destinadas às famílias da ocupação Copa do Povo, em Itaquera. Os manifestantes bloqueiam as entradas do Palácio Anchieta, impedindo a saída de funcionários e de vereadores. Por volta das 17h30, o presidente do Legislativo, José Américo (PT), se reunia com o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, para tentar intermediar uma negociação com o governo.

Boulos exige que o governo inclua no Plano Diretor uma emenda que transforme o terreno da ocupação na zona leste, de 150 mil metros quadrados, em área de "interesse social". Ele também exige dos vereadores uma data para a segunda votação do plano, ainda sem data definida. Vereadores que tentam fazer mudanças na proposta, tentando descongelar áreas residenciais e garantias para a construção de um aeroporto em Parelheiros, na zona sul, querem protelar a votação para o segundo semestre.

"Nós queremos uma data para essa votação e a emenda. Nada fora disso", afirma Boulos. Ruas no entorno do Legislativo também foram bloqueadas. O trânsito está totalmente travado na região do Terminal Bandeira e da Praça da Sé. A tropa de choque da PM está de prontidão na frente do prédio da Câmara. Dentro do plenário, os vereadores tentam acordo para votar uma proposta de aumento salarial para os professores municipais, categoria que está em greve desde o dia 23. Com o protesto do lado de fora, porém, muitos parlamentares argumentam "não ter clima" para fazer qualquer votação.

Relator do Plano Diretor, o vereador Nabil Bonduki (PT) sinalizou que a inclusão da emenda para garantir as moradias populares às famílias da ocupação Copa do Povo é viável. "O governo está analisando a possibilidade, vendo se o zoneamento da região permite. Ou podemos também tentar achar outros terrenos na mesma região para as famílias", argumentou.

Os sem-teto prometem ficar acampados na frente da Câmara até os vereadores informarem uma data definitiva para a segunda votação do Plano Diretor. O presidente da Câmara informou aos manifestantes que até a próxima terça-feira o prefeito Fernando Haddad dará uma resposta sobre a inclusão ou não da emenda.

A garantia dada pela Câmara arrefeceu os protestos e os manifestantes começam a desbloquear o viaduto Jacareí.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.