Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Sem-teto mantêm ocupação de prédio da Secretaria Municipal do Verde

Grupo protesta contra reintegração de posse de terreno na zona sul; comitiva se reúne com representantes da Prefeitura

Artur Rodrigues, O Estado de S. Paulo

24 de setembro de 2013 | 16h31

SÃO PAULO - Um grupo de sem-teto da zona sul continua a ocupar um prédio da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, na Rua do Paraíso, zona sul da capital. Enquanto cerca de 80 pessoas estão no prédio desde o começo da manhã, uma comitiva está reunida com representantes da Prefeitura no Edifício Martinelli, na região central. Em apoio ao movimento, um grupo saiu em passeata e chegou a bloquear duas faixas da Rua do Paraíso.

Um pedido de reintegração de posse feito pela Prefeitura e executado no dia 16 na ocupação Jardim União, onde moravam 300 famílias, motivou a ocupação. Eles afirmam que permanecerão no local se a administração municipal não apresentar projetos habitacionais para a região sul e se não tornar públicas as listas de espera de programas de moradia.

Nos últimos meses, mais de 20 ocupações foram feitas na zona sul. "Na região do Grajaú, houve uma onda de despejos por causa dos mananciais e não foi construída nenhuma moradia", disse um dos militantes, Gustavo Moura, 30 anos, da Rede de Comunidades do Extremo Sul. Ele afirma que a prática da Prefeitura de distribuir bolsa-aluguel aumentou o preço dos aluguéis, dificultando a busca por moradias na região.

Nesta semana, a Rede de Comunidades do Extremo Sul divulgou um manifesto assinado por intelectuais criticando o prefeito Fernando Haddad (PT) e a Polícia Militar. "A intransigência e a truculência da atual gestão municipal chegou a um ponto extremo no dia 16 de setembro, quando, sem qualquer aviso prévio e sem ordem judicial, o prefeito Fernando Haddad e a Subprefeita da Capela do Socorro, Cleide Pandolfi, mobilizaram a Tropa de Choque da Polícia Militar, bem como efetivos da Guarda Civil Metropolitana e da Guarda Ambiental para despejar violentamente os moradores do Jardim da União", afirma o manifesto.

A Prefeitura e a PM foram contatados sobre o assunto nesta tarde e ainda não se manifestaram. O prefeito Haddad tem dito que não vai ceder às ocupações e que vai pedir reintegração de posse em todos os casos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.