Sem-teto é baleado por policial militar no centro de São Paulo

Segundo FLM, a vítima fazia um churrasco quando foi atingida no fêmur; PM diz que suspeito ameaçava pedestres com uma faca

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

04 Maio 2015 | 08h47

SÃO PAULO - O filho de uma coordenadora da Frente de Luta por Moradia (FLM) foi baleado por um policial militar durante um churrasco na frente de uma ocupação no centro da capital paulista. Sidney Ferreira Silva, de 32 anos, teria se negado a soltar uma faca e foi atingido na altura da cintura. Ele está internado no hospital.

A confusão aconteceu no início da noite deste domingo, 3, na frente de um prédio na Avenida Rio Branco, na região do Campos Elísios. De acordo com os sem-teto, o grupo fazia um churrasco no local quando policiais militares desceram de uma viatura e um soldado já estaria com a arma fora do coldre.

Segundo testemunhas, Silva teria levantado os dois braços e afirmado ao policial que a abordagem não era necessária. "Aqui é tudo trabalhador", teria dito, sem, no entanto, soltar a faca que era usada no churrasco. Apesar de o sem-teto estar rendido, o policial teria atirado. No momento do disparo, ele estava acompanhado da mãe, Carmen Silva, um das coordenadoras da FLM.

A versão da PM é diferente. A corporação afirma que foi acionada por volta das 18h30 porque um indivíduo armado com uma faca estaria ameaçando pedestres. Ainda segundo a PM, os policiais teriam ordenado que Silva soltasse a faca, mas ele teria avançado na direção dos agentes. Foi quando um dos policiais atirou.

O disparo atravessou o fêmur da vítima e Silva foi socorrido à Santa Casa de Misericórdia, também no centro, onde continua internado. Segundo a FLM, ele aguarda um ortopedista para saber se será necessário passar por cirurgia. O caso deve ser investigado pelo 3º Distrito Policial (Campos Elísios).

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaPolícia MilitarFLM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.