Sem-teto ateiam fogo em caminhão após reintegração de posse

Grupo protestou no fim da tarde dessa terça-feira, 5, contra ação realizada pela manhã em terreno em São Mateus, zona leste

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2013 | 02h01

Um caminhão foi incendiado durante um protesto de moradores sem-teto na Avenida Jacu-Pêssego, na região de São Mateus, zona leste da capital, no início da noite dessa terça-feira, 5. O protesto aconteceu perto de um viaduto que dá acesso ao Rodoanel. Segundo a Polícia Militar, um grupo com cerca de 300 manifestantes bloqueou a via por volta das 18 horas, em ato contra uma reintegração de posse realizada pela manhã.

A reintegração ocorreu em uma área particular localizada na Estrada Adutora do Rio Claro, no limite entre a capital e Mauá, no ABC paulista, perto do local onde foi realizada a manifestação.

De acordo com a Assessoria de Imprensa da PM, a reintegração de posse aconteceu de forma pacífica, sem conflito entre os moradores removidos do local e os policiais militares.

A corporação não soube informar quantas famílias viviam no local nem desde quando a área estava ocupada pelos moradores sem-teto. Afirmou apenas que os moradores haviam construído barracos de madeira no terreno e que a reintegração foi amparada por uma decisão da Justiça.

Confusão. O ato teve início quando o motorista de um caminhão que trafegava pela via foi obrigado a descer do veículo. O caminhão foi incendiado e usado pelos manifestantes para obstruir a via. O Corpo de Bombeiros foi chamado para controlar o fogo. De acordo com a PM, o motorista não ficou ferido. Também não houve registro de feridos entre os manifestantes.

O protesto seguiu até a noite de ontem e, segundo a PM, ninguém havia sido detido.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que os manifestantes bloqueavam apenas a faixa da esquerda da Avenida Jacu-Pêssego, no sentido Mauá. Apesar do protesto, não houve registro de congestionamentos naquela região.

Mais conteúdo sobre:
protestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.