TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Sem terceirizada, Fundação Casa improvisa segurança

Agentes socioeducativos estão sendo adaptados para exercer vigilância; no ano, 184 internos já escaparam da internação

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

23 de setembro de 2015 | 03h00

SÃO PAULO - Pelo menos quatro unidades da Fundação Casa localizadas na zona leste de São Paulo estão sem vigilância porque a empresa responsável faliu. A informação foi confirmada nesta terça-feira, 22, pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) após fuga de 33 internos da unidade Guaianases, uma das que não contam mais com a segurança privada e teve agentes socioeducativos adaptados para exercerem a função de vigilantes.

Somente neste mês, já foram cinco fugas em unidades da capital e da Região Metropolitana. Considerando o ano inteiro, a Fundação Casa totaliza pelo menos oito casos em que 184 internos escaparam. A maioria foi recapturada.

“Nós já estamos tomando (providências). Pedimos para a Secretaria da Segurança Pública para que em alguns locais em que a Fundação Casa tem mais vulnerabilidade haja uma presença maior da polícia. Nós tivemos uma empresa de segurança que faliu, e aí a fundação está fazendo com os próprios funcionários”, explicou Alckmin. O governador informou que os locais têm “retaguarda” da PM.

A empresa que era responsável pela segurança na unidade de Guaianases era a Anviseg Segurança e Vigilância. De acordo com João Faustino, diretor de Comunicação do Sindicato dos Trabalhadores em Entidades de Assistência e Educação à Criança, ao Adolescente e à Família do Estado de São Paulo (Sitraemfa), a empresa chegou a ficar “meses sem pagar os funcionários”. Representantes da Anviseg não foram localizados nesta terça-feira para comentar o caso.

Faustino explicou que o problema ocorre desde o início do ano. Quando os seguranças da Anviseg não ganhavam o salário, acrescentou o sindicalista, eles deixavam de trabalhar e os agentes socioeducativos é que tinham de fazer o serviço do grupo contratado para garantir que os internos não escapassem dos locais. 

Treinamento. “Nossos agentes não têm treinamento necessário para fazer esse tipo de serviço. Quando os menores fogem, eles vão correndo para cima dos funcionários, machucando qualquer um que tentar impedir a fuga”, disse Faustino. 

A Fundação Casa, por meio da assessoria de imprensa, afirmou que “o descumprimento contratual começou em maio deste ano”, mas não detalhou qual seria o descumprimento citado. Ainda de acordo com a entidade, os servidores que foram adaptados estão trabalhando “em regime de hora extra”. O Estado questionou que tipo de treinamento os funcionários têm para que consigam ser adaptados em uma função à qual não estão habituados, mas a Fundação não respondeu. Também não foi informado quando uma nova empresa será contratada para fazer a vigilância.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.