Sem poder fazer sexo, jovens destroem abrigo

Dezenove adolescentes, três crianças e um rapaz de 18 anos depredaram uma central de acolhimento de menores da prefeitura, no centro do Rio, depois de serem impedidos por educadores de realizar uma orgia.

Bruno Boghossian / RIO, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2011 | 00h00

Segundo a polícia, os jovens destruíram camas, queimaram colchões, quebraram partes do teto e usaram pedaços de madeira para ameaçar funcionários. Ninguém ficou ferido, mas os 23 acusados de vandalismo foram levados para a delegacia.

O caso começou às 2h de terça-feira, quando os educadores perceberam que 11 rapazes e 9 moças, com idade entre 12 e 18 anos, pretendiam fazer sexo no abrigo - as três crianças só participaram do quebra-quebra. Os funcionários tentaram impedir os jovens, que começaram a destruir as camas. Os investigadores afirmam que os menores atearam fogo em dois colchões e usaram facas da cozinha para intimidar os responsáveis pela central.

O tumulto só terminou às 6h, quando a polícia foi chamada e levou os 23 envolvidos para a 6.ª DP (Cidade Nova). Segundo a delegada-assistente, Sania Cardoso, os menores ficarão sob responsabilidade do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) até que a Justiça decida seu destino. O jovem de 18 anos, que teria mentido a idade para poder entrar na central, foi preso em flagrante.

Após o episódio, a Secretaria Municipal de Assistência Social afirmou que estuda separar meninos e meninas nas centrais de acolhimento, que funcionam como espaços de pernoite antes que os menores sigam para abrigos permanentes. Na Central de Recepção de Crianças e Adolescentes Ademar Ferreira de Oliveira não há divisão por sexo.

De acordo com o desembargador Siro Darlan, ex-titular da 1.ª Vara da Infância e da Juventude do Rio, abrigar meninos e meninas no mesmo espaço é aceitável, desde que haja limites. "Esse formato é viável se houver um acompanhamento dos educadores, sem criar ambientes de promiscuidade", avalia o magistrado. "Sabemos que falta estrutura para receber os menores de maneira adequada." Com 40 vagas, a casa de pernoite ficará interditada até amanhã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.