Sem novo IPTU, Educação perde R$ 249 milhões

A base da gestão Haddad pretende colocar em votação hoje na Câmara Municipal o orçamento de 2014, contando com R$ 806 milhões a mais de aumento do IPTU. Caso a administração municipal não consiga reverter na Justiça a decisão que barrou o reajuste de até 35% (limitando o valor à inflação anual, em torno de 6%), a Secretaria da Educação será a pasta com maior congelamento de verba: R$ 249 milhões. "São recursos destinados à expansão, R$ 100 milhões para construção de creches e R$ 118 milhões para a ampliação de convênios", disse o secretário de Educação, Cesar Callegari. Os R$ 31 milhões restantes seriam verba de custeio.

Paulo Saldaña, Artur Rodrigues e Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2013 | 02h03

"Vai ser votado o orçamento como foi encaminhado e, aí, ele coloca uma receita condicionada. Se não houver (reajuste), se ela (a receita) não entrar, afeta os investimentos previstos", disse Haddad. O prefeito já orientou a votação na Câmara.

O governo aposta ainda em conseguir a liberação do aumento no STF. Por isso, colocará vários projetos do Executivo em votação antes do orçamento, como aposentadoria especial para magistério e criação de 100 cargos de auditores fiscais.

Outras pastas que sofrerão cortes, se o aumento não for aprovado, são Saúde (R$ 146,1 milhões), Transportes (R$ 131 milhões), Obras (R$ 50 milhões) e Governo (R$ 40 milhões), entre outras. A peça do orçamento que será votada totaliza R$ 50,5 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.