Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Sem fiscalização, giroflex, sirenes e motores turbinados se espalham por SP

Lojas da Barão de Limeira e da Santa Ifigênia vendem acessórios que podem facilmente transformar um carro em uma arma

ARTHUR GUIMARÃES - ESPECIAL PARA O 'ESTADO',

25 de agosto de 2012 | 20h36

Transformar um carro em arma sobre rodas é fácil no centro de São Paulo. Sem receio da fiscalização, mecânicas e lojas de acessórios oferecem serviços e produtos vetados por lei. São motores turbinados, giroflex, sirenes, películas escurecidas, rodas que extrapolam a carroceria e faróis ofuscantes. Motoristas imprudentes e até criminosos têm recorrido à personalização de carros para praticar atos ilegais - é o tuning do mal.

Equipamentos de iluminação usados pela polícia, sirenes e alto-falantes são adquiridos por cerca de R$ 200 na Rua Santa Ifigênia. Com eles, é possível abrir caminho em congestionamentos, criar sensação de pânico nas ruas e despistar perseguições. “É uma irresponsabilidade. Diante de uma irreal situação de emergência, motoristas mudam o comportamento. Pode haver avanço de semáforo, aumentando o risco de colisões”, diz Mauro Augusto Ribeiro, presidente da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet).

Os motores turbinados, porém, representam a customização mais perigosa. Por cerca de R$ 6 mil, empresas “preparadoras” vendem kits de peças capazes de triplicar a potência. “É uma alteração que nasceu para suprir a vontade de colecionadores, mas, infelizmente, pode virar incentivo ao crime”, alerta o capitão Sérgio Marques, porta-voz da Polícia Militar. Segundo ele, é comum flagrar assaltantes usando carros tunados para fugir em alta velocidade.

Dono de um Gol GTS 1987 com 300 cavalos a mais do que o original, P.R., de 26 anos, gastou R$ 30 mil para turbiná-lo. Dispensou, no entanto, as adaptações necessárias no freio - um risco para ele e os demais motoristas. “É como dirigir uma cadeira elétrica. Acelera tudo, mas nunca sabe se vai parar.” O veículo chega a 240 km/h.

Mais velozes, os veículos viram máquinas poderosas em competições ou em fugas. P.R. é adepto de rachas, que costuma praticar na Avenida Jacu-Pêssego, na zona leste, na Ricardo Jafet, na sul, e na Rodovia Ayrton Senna. “Todo mundo que faz corrida prefere sair guinchado a levar ‘bucha’ (perder a competição)”, explica ele, que se gaba de travar disputas com Camaros e Mustangs. Neste ano, a PM interrompeu 40 rachas no Estado.

Riscos. Mudanças em carros implicam outros perigos. Na Rua Barão de Limeira, rebaixar carroceria custa R$ 100. A solução é cortar as molas, “deixando o carro na altura que quiser”, explicou o atendente de uma oficina. Há alterações menos agressivas em lojas da Avenida Duque de Caxias, como mudar a cor do carro por R$ 3 mil e instalar películas 100% escurecidas por R$ 100. “Em caso de sequestro relâmpago, a vítima pode ficar horas no poder de criminosos, sem que ninguém saiba o que acontece”, alerta o capitão Marques.

No Estado, 5 mil lojas atuam livremente

Das cerca de 12 mil lojas de autopeças no Brasil, 5 mil estão no Estado de São Paulo. Mas boa parte do mercado que movimentou cerca de R$ 8 bilhões em 2011 atua praticamente sem controle. Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Comando de Policiamento de Trânsito da Capital (CPTran), Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran) e Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) afirmaram não ter responsabilidade de monitorar a venda dos produtos. O mercado é livre.

“Pelo que sei, não há ninguém que faça especificamente esse trabalho de ir a cada loja verificar o que é vendido”, diz Eduardo Bernasconi, presidente da Associação Brasileira de Acessórios Automotivos (Abaa), criada há cerca de um ano e, por enquanto, com apenas 12 filiadas.

Antes da entidade, porém, o limbo era maior. “Nesses anos todos sem organização, muitas pequenas empresas foram criadas sem controle. Nossa proposta é reorganizar o mercado.”

O único órgão que faz inspeções nas ruas é o Instituto de Pesos e Medidas (Ipem). Mas o controle recai sobre produtos, não lojas. “A grande maioria dos itens comercializados não tem certificação técnica. Precisamos de regras para conseguir ir a campo”, diz Valmir Ditomaso, diretor do Departamento de Metrologia e Qualidade do órgão.

Hoje, poucos acessórios estão na mira do Ipem, como engates e cadeira de bebês. Os demais, incluindo rebaixamento e película escura, só deverão ser certificados no futuro. Já o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) informou que trabalha nos projetos de certificação solicitados, mas também não tem atribuição de fiscalizar lojas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.