Sem depredação, blocos se despedem da zona oeste

Foliões passaram pelas ruas da Vila Madalena, Butantã e Pinheiros sem confusão

Luciano Bottini Filho e Marcelo Osakabe - O Estado de S.Paulo,

08 Março 2014 | 19h30

Atualizado às 23h20

Após a Praça Benedito Calixto amanhecer depredada na Quarta-feira de Cinzas, os últimos blocos de rua da zona oeste da capital se despedem neste sábado, 8, passando sem confusão pelos bairros da Vila Madalena, Pinheiros e Butantã. Nenhum dos blocos marcados para o encerramento da folia tem a praça no trajeto.

Só no bloco do Macaco Cansado, que partiu da Rua Harmonia, na Vila Madalena, às 16h, foram reunidas ao menos 6 mil pessoas. No bairro, também foram organizados o bloco Filho da Xuxa e o Tem, Mas Acabou.

Apesar da proibição de venda de álcool,  a Guarda Civil Metropolitana não conseguiu controlar os ambulantes que comercializam livremente cerveja e outras bebidas. O clima na Vila Madalena não era de família ou de casais de mãos dadas. O público concentrou jovens entre 16 e 30 anos consumindo muito álcool.

"Eu acho que as pessoas querem curtir. Algumas aproveitam para depredar, mas são poucas", diz a arquiteta Marina Pessoa, de 24 anos, que acompanhou com amigos o cortejo do Macaco Cansado neste sábado. "O Carnaval de rua chegou em São Paulo", comemora.

Bloco Macaco Cansado. O local tinha mais de dez mil pessoas. A polícia não pôde fazer uma estimativa do número de foliões, uma vez que não trouxe efetivo o suficiente para envolver a multidão. Uma tenente calculou extraoficialmente que havia 8.5 mil pessoas na rua Medeiros de Albuquerque, onde o bloco saiu.

Em um determinado momento, a multidão se dividiu em dois grupos. Um acompanhou o bloco, que fazia a volta no quarteirão. Outra parte ficou em frente ao beco, festejando. Enquanto isso, o Kaya Na Gandaia chegava à rua Medeiros de Albuquerque acompanhado de bem menos gente.

À noite, um caminhão de lixo tentou passar pela multidão. Alguns aproveitaram para subir no caminhão e cantar o "bloco do lixo".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.