Carlos Nogueira/ A Tribuna de Santos
Carlos Nogueira/ A Tribuna de Santos

Sem coleta, lixo se acumula nas ruas do litoral de SP

Montes de lixo se acumularam em pelo menos três cidades da região, após empresa contratada para o serviço alegar falta de pagamento

José Maria Tomazela e Luiz Alexandre Souza Ventura, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2016 | 11h50

BAIXADA SANTISTA - Em pleno feriado prolongado, turistas que foram em busca das praias do litoral paulista se deparavam, nesta terça-feira, 15, com montes de lixo nas ruas da região. Cubatão, Peruíbe e São Vicente estão sem coleta desde a semana passada porque as prefeituras têm dívidas com a empresas responsáveis pelo serviço. No total, seis municípios do litoral enfrentam problemas e têm juntos um débito que ultrapassa R$ 116 milhões.

Em São Vicente, a dívida com a Terracom, empresa responsável pela coleta, é de R$ 9 milhões e ainda não há acordo oficial. O serviço foi suspenso na última quinta-feira, 10, e há lixo acumulado até na faixa litorânea. A empresaalega falta de pagamento de R$ 6 milhões. 

Em Cubatão, a coleta parou na sexta-feira, 11. Na manhã desta terça-feira, 15, dezenas de sacos de lixo foram espalhados pela Avenida Nove de Abril, a mais importante da cidade. Motoristas e pedestres eram obrigados a desviar dos entulhos. A chuva arrastou parte deles para as bocas de lobo. O município deve aproximadamente R$ 16 milhões à Terracom e firmou um acordo com a empresa, que interrompeu a coleta porque as parcelas não foram pagas.

Em Peruíbe, a coleta de lixo também foi paralisada na sexta pela empresa Litucera, que também alegou falta de pagamento. O valor não foi informado. Os sacos de lixo encheram as caçambas coletoras e caíram nas calçadas, principalmente na região central e na orla da praia. Comerciantes, moradores e turistas reclamavam do mau cheiro.

O secretário de Comunicação, Tuca Fumagalli, disse que a suspensão do serviço foi arbitrária. "O contrato prevê um prazo de 90 dias para a suspensão do serviço em caso de não pagamento e isso não está sendo cumprido." Segundo ele, a escala de pagamento foi afetada pela queda na arrecadação. A prefeitura recorreu à Justiça para a retomada do serviço e aguarda julgamento.

No município de Guarujá, a coleta de lixo também chegou a ser interrompida na semana passada, mas foi retomada após uma decisão da Justiça, que obrigou a empresa a retomar o serviço. Apesar disso, os dias de paralisação provocaram uma grande acúmulo e ainda há muita sujeira pela cidade, que deve mais de R$ 21 milhões à Terracom.

A dívida da prefeitura de Santos com a mesma Terracom é a maior da região, aproximadamente R$ 70 milhões. Uma negociação está em andamento e o serviço de coleta ainda não foi interrompido.

Tudo o que sabemos sobre:
Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.