TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Sem água, churrascaria cancela almoço

Restaurante optou por abrir só a partir das 15 horas por causa de cortes no abastecimento hídrico na zona sul da capital paulista

Rafael Italiani e Tiago Queiroz, O Estado de S. Paulo

04 Fevereiro 2015 | 03h00

SÃO PAULO - Quem costumava almoçar em uma das duas unidades da churrascaria Gauchão Grill, na Praça da Árvore, na zona sul, foi surpreendido nesta terça-feira, 3, por um cartaz informando que o local só vai abrir a partir das 15 horas. O restaurante tem sofrido com a redução da pressão da água, ficando quase o dia inteiro com a caixa d’água de mil litros vazia. 

Para diminuir o prejuízo, a comerciante Lidiane Vargas, de 26 anos, resolveu abrir o local somente durante a tarde e a noite, para fazer a água do reservatório durar mais tempo. A adaptação a levou a demitir funcionários e a começar a servir o almoço em outra unidade do restaurante, localizada nas imediações da praça, como orienta a placa. 

Mesmo com o cartaz informando sobre o atendimento na outra unidade, poucos clientes migraram na hora do almoço. “Das pessoas que frequentavam o outro restaurante, só 20% apareceram para comer no que continua funcionando normalmente. Os clientes estavam acostumados, trabalham perto do restaurante, e não querem andar um pouco mais para comer em outro lugar”, explicou Lidiane, nesta terça.

Ela contou que a decisão de fechar a unidade para o almoço e abrir apenas à tarde foi avaliada com muito cuidado nos últimos 45 dias. “O horário do almoço era bom, mas é na happy hour que o movimento costuma ser maior e foi essa opção que eu fiz para o prejuízo ser menor. Infelizmente.” 

De acordo com ela, o Gauchão Grill recebe entre 60 e 100 pessoas por dia durante o almoço.

Rotina. Lidiane costumava abrir o restaurante às 10 horas para preparar o almoço. Com a crise no abastecimento, a unidade, que fechava apenas no final da noite, chegava às 21 horas sem nenhuma gota de água no reservatório. No segundo semestre do ano passado, ela já tinha trocado os copos de vidro pelos de plástico para economizar mais água.

“Não tinha mais água para limpar a louça, lavar os banheiros e dar descarga. Me via obrigada a fechar bem antes do horário normal.” Ela também contou que está se planejando para instalar mais uma caixa d’água na unidade, mas isso vai obrigá-la a fechar o restaurante por alguns dias.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo crise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.