Seleção feminina vai à China

A seleção feminina de basquete viaja hoje para uma série de amistosos na China, preparatórios para o Pré-Olímpico da Colômbia, em setembro. No entanto, o grupo comandado por Enio Vecchi poderia ser chamado de seleção paulista. Das 12 convocadas, somente uma não atua em um time do Estado: a pivô Franciele, que joga no Cadi Laseu, da Espanha.

Ana Paula Garrido, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2011 | 00h00

A concentração de talentos tem sua vantagem: o elenco se conhece bem. "Elas acabam se enfrentando ou jogando juntas", explica Vecchi.

Este entrosamento é visto como arma, especialmente se o técnico não conseguir contar com a pivô Erika e a ala Iziane, que jogam na WNBA. "Se elas puderem participar do Pré-Olímpico será muito bom. Agora, se não der, a gente vai lutar com as armas e opções daqui", avisa.

Enio também espera ter dois reforços vindos do time sub-19, que disputa o Mundial do Chile no mês que vem: a pivô Damiris e a armadora Tássia. A convocação definitiva para o Pré-Olímpico, que garante ao campeão vaga para os Jogos de Londres, será em 17 de julho.

Força de homem. Além de contar com o entrosamento do elenco, Enio tenta fortalecer o grupo com aspectos trazidos do basquete masculino. "Tenho procurado trazer essa experiência para dar um aspecto físico melhor. Assim, elas poderão saltar mais, ter velocidade e uma defesa mais agressiva", diz Vecchi. "O objetivo é ter um jogo mais físico, porque vamos precisar."

O treinador acredita que esses ingredientes aliados à tradição do Brasil são suficientes para convencer no torneio da Colômbia e aproveitar a ausência dos EUA na competição - atuais campeãs mundiais, as americanas já estão na Olimpíada de 2012. "A gente reúne condições de brigar diretamente com Canadá, Argentina e Cuba por essa vaga."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.