Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Seis são presos por exploração sexual de crianças em Registro

Homens foram acusados de induzir as crianças à prostituição através do pagamento para obter favores sexuais

José Maria Tomazela, Agência Estada

18 de abril de 2008 | 21h43

Cinco homens e uma mulher foram presos nesta sexta-feira, 18, em Registro, no Vale do Ribeira, a 220 km de São Paulo, acusados de explorar sexualmente crianças e adolescentes. Os crimes vinham sendo investigados há dois anos pelas promotorias Criminal e da Infância e da Juventude da cidade.   Os homens foram acusados de induzir as crianças à prostituição através do pagamento para obter favores sexuais. Eles se utilizavam de dois hotéis da cidade para os encontros.   O recepcionista de um deles acertava os encontros com meninas de 14 a 17 anos. O preço do programa variava de R$ 3,00 a R$ 20,00. Em alguns casos o pagamento era feito com droga, principalmente pedras de crack. Com os detidos, os policiais apreenderam R$ 60 mil.   Há suspeita de que o dinheiro seja proveniente do tráfico de drogas. Uma adolescente de 14 anos, que se negava a deixar a prostituição, foi encaminhada ao Juizado da Infância e da Juventude.   De acordo com o promotor Yuri Giuseppe Castiglione, uma das maiores dificuldades para resolver o problema é que as menores de idade acham que têm direito a vender o próprio corpo. As investigações tiveram início a partir de denúncias da exploração sexual de crianças e adolescentes, sobretudo nas margens da Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), que corta a cidade.   Um mapa da exploração infantil na região elaborado pelo Ministério Público serviu de base para a expedição dos mandados de busca e prisão cumpridos nesta sexta-feira, 18. De acordo com Castiglione, a grande incidência de exploração sexual no Vale do Ribeira está relacionado às condições de carência de grande parte da população. O MPE vai fazer um trabalho conjunto com a Vara da Infância e da Juventude para reintegrar as vítimas da exploração sexual à sociedade, através de cursos de profissionalização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.