Seis são mortos em mais uma noite violenta em SP

Agente penitenciário foi assassinado em São Caetano e outras cinco pessoas executadas por atiradores na capital

ARTUR RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2012 | 03h06

Pelo menos seis pessoas assassinadas, 13 feridas e uma base da guarda-civil atacada. Esse foi o saldo da violência entre a noite de anteontem e madrugada de ontem na Grande São Paulo. Entre as vítimas, estava um agente penitenciário.

De acordo com a Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (SAP), Rodrigo Rocha de Freitas, de 31 anos, foi assassinado às 23h40 de anteontem, dentro da casa da namorada, no bairro Fundação, em São Caetano do Sul. Ele era funcionário da SAP havia 11 anos e trabalhava no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Santo André.

Durante a madrugada, seis pessoas foram baleadas na Rua Bernardo de Lima, na Vila Formosa, na zona leste. Duas delas morreram. Testemunhas disseram à polícia que o grupo conversava e bebia na calçada quando dois homens que passavam a pé começaram a atirar.

Também na zona leste, à meia-noite, três rapazes foram atingidos por tiros disparados por um homem em um carro de cor escura. Jonathan Severino da Silva, de 19 anos, morreu.

Na zona oeste da capital, o repositor Robson Gomes da Silva, de 24 anos, foi baleado nove vezes por homens em uma moto CG verde. Ele e amigos bebiam e conversavam na Rua Nazir Miguel, no Jardim Paulo VI. Outros dois jovens foram atingidos.

O corpo de Wellington de Jesus Monteiro, de 17 anos, foi encontrado baleado na manhã de ontem, na Avenida Aricanduva, zona leste. O irmão do rapaz disse que discutiu com ele e o deixou em um baile funk, na casa noturna Expresso Brasil e, ao chegar em casa, foi informado que o rapaz havia sido morto.

Um sétimo corpo foi encontrado, na Rua Erva Prata, em São Miguel, às 4h30. Porém, a polícia ainda não sabe se foi homicídio.

Em Guarulhos, bandidos em uma moto atiraram em um posto da Guarda Civil Municipal, na Praça Quarto Centenário. Ninguém saiu ferido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.