Seguranças da casa tentaram impedir saída das pessoas

Jovens que sobreviveram ao incêndio na boate Kiss contaram que seguranças tentaram impedir pessoas que tentavam sair da casa.

O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2013 | 02h00

A estudante de Administração Thaíse Brenner, de 24 anos, conta que estava perto da porta da saída com uma amiga quando o tumulto começou. Ao tentar sair, conta que foi impedida pelo segurança. "Ele queria que nós fôssemos para outra fila pagar a comanda da festa e dizia que o incêndio estava sendo controlado."

Thaíse e a amiga então empurraram o segurança, que caiu. Só dessa forma conseguiram escapar com vida. "Conseguimos passar debaixo das pernas dele e fugimos da boate. Depois disso, várias pessoas nos seguiram", conta a estudante, que diz ter sido uma das primeiras pessoas a saírem da festa.

Outro sobrevivente, o universitário Murilo de Toledo Tiecher também comentou em sua página no Facebook que, no início do incêndio, seguranças tentaram segurar as portas para que as pessoas não saíssem.

"Que fique registrado: eu fui um dos 50 primeiros a sair. No início do tumulto, tentaram segurar as portas com os seguranças e manter as pessoas ali pra que não saíssem da boate! Não sei se pensavam que era uma briga e não queriam que saíssem sem pagar. Só depois que a multidão derrubou os seguranças é que viram a merda que fizeram. Todo mundo viu isso aí." / CAMILA CUNHA, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.