Segurança mata cliente dentro de banco

Discussão que começou na sexta-feira, após fim do expediente bancário, teria motivado crime em São Bernardo; fiscal levou quatro tiros

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2011 | 03h03

O fiscal Sandro Cordon Antônio, de 33 anos, foi morto ontem com quatro tiros pelo vigilante Jônatas Pereira Lima, de 29, em uma agência do Bradesco na região central de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Uma discussão que começou na sexta-feira, na porta da instituição, motivou o crime.

Imagens de uma câmera do circuito interno do banco mostram que a vítima ainda tentou fugir após o primeiro tiro, mas o vigia disparou mais três vezes contra suas costas. Lima será indiciado por homicídio doloso (quando há intenção de matar) qualificado - por motivo torpe e à traição (pelas costas).

Na tarde da sexta, o fiscal chegou minutos após o fim do atendimento e foi barrado. Irritado, discutiu com Lima e foi embora. Na manhã de ontem, ele voltou ao banco para fazer um saque.

Segundo o delegado titular do 1.º Distrito Policial, Victor Vasconcellos Lutti, Antônio procurou Lima no primeiro andar da agência, onde são atendidas as pessoas jurídicas, o que não era seu caso. A própria direção do banco teria tomado a iniciativa de tirar o vigia do térreo e transferi-lo para o primeiro andar, por causa da discussão de sexta-feira. Não foi o suficiente - os dois voltaram a se encontrar e novamente entraram em atrito.

Lima disse à polícia que Antônio fez menção de sacar uma arma e, por isso, disparou a primeira vez contra ele. O vigia também alegou que só perseguiu o fiscal porque ele teria feito uma funcionária como escudo.

Câmeras. As imagens de uma das câmeras postadas no corredor de acesso, no primeiro andar da agência, mostram Antônio entrando na sala onde estava o vigilante às 10h02. Dois minutos depois, o fiscal deixou a sala, agarrado a uma funcionária do banco. Soltou a mulher e, em desespero, andou por cerca de três metros, tentando fugir encostado à parede. Ele já estava ferido. Lima então se posicionou, fez a mira e atirou três vezes contra as costas de Antônio, que cambaleou e caiu, agonizando, às 10h04.

A vítima levou o primeiro tiro na altura da barriga. Outros dois tiros atingiram o lado direito das costas e o quarto, o lado esquerdo. Antônio morreu no local. Segundo a polícia, ele estava totalmente desarmado.

O fiscal estava com um colega de mochila e jaqueta preta, que ficou no corredor, como quem pretende amarrar o sapato. Com a quantia sacada, Antônio pretendia pagar R$ 20 que devia para o colega.

A polícia agora vai analisar o conjunto das imagens, incluindo a de possíveis câmeras no interior da sala onde teve início a discussão, para saber o que de fato ocorreu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.