Segurança de loja das Casas Bahia é condenado por matar cliente em SP

Genilson atirou contra cabeça da vítima, com a qual discutiu após desconfiar e abordá-la

estadão.com.br,

06 Março 2012 | 02h55

SÃO PAULO - Acusado de matar, com um tiro na cabeça, em 10 de novembro de 2008, um cliente na porta da loja das Casas Bahia, onde trabalhava, na Estrada de Itapecerica, no Campo Limpo, zona sul da capital paulista, o ex-segurança Genilson Silva Souza, de 29 anos, foi condenado nesta segunda-feira, 5, a 18 anos de prisão por homicídio doloso, qualificado por motivo fútil.

 

No dia do crime, a vítima, o motoboy Alberto Milfont Júnior, 23, foi até a loja com a namorada, a esteticista Darilene Pereira Ribeiro, de 22 anos, e um amigo, de 17, para comprar um colchão. Pais de uma criança de 5 anos, Alberto e Darilene iriam se casar. O segurança abordou Alberto e o adolescente pois teria desconfiado dos dois. A jovem estava no caixa e testemunhou a discussão e o assassinato.

 

Após mostrar a nota fiscal da compra e duvidar de que o segurança atirasse, Alberto foi baleado, morrendo no local. O assassino recorrerá da decisão em liberdade. O julgamento ocorreu no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste de São Paulo. Na época do crime, Genilson havia passado por um curso de reciclagem e o porte de arma dele era legal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.